Escritório da empresa Google
Escritório da empresa Google

Todas as organizações, sejam hospitais ou clínicas pró-vida, devem agora receber “autorização” do Google antes de postar um anúncio em seu mecanismo de busca.

“Nos Estados Unidos, no Reino Unido e na Irlanda, se você deseja exibir anúncios usando palavras-chave relacionadas a abortos, primeiro precisa ser certificado como um anunciante que oferece abortos ou não fornece abortos. Se você não for certificado, não poderá exibir anúncios usando palavras-chave relacionadas à obtenção de um aborto ”, diz a  nova política.

Não provedores são aqueles que oferecem testes de gravidez, aconselhamento, encaminhamentos ou de outra forma atendem mulheres grávidas, mas não fornecem abortos em suas instalações. Divulgações como “fornece abortos” ou “não fornece abortos” serão incluídas em cada anúncio após a liberação ter sido concedida.

O Google também se reserva o direito de revogar anúncios se as organizações ocultarem ou divulgarem incorretamente informações sobre seus negócios, produtos ou serviços.

As políticas destinam-se a atingir diretamente os chamados centros de gravidez em crise, que geralmente, são clínicas anti-aborto ligadas a grupos cristãos.

As novas regras da gigante de tecnologia vieram depois que um relatório do  The Guardian revelou que o Google doou US$ 150 mil em propaganda gratuita para uma organização cristã sem fins lucrativos chamada Obria Group, que administra uma rede de clínicas financiadas por organizações católicas, que não realiza abortos e encoraja as mulheres a serem mães, mas exibia anúncios sugerindo que presta serviços de aborto em suas clínicas médicas, atraindo assim, mulheres que queriam abortar para tentar impedi-las.

Brian Fisher, presidente da Coalizão Humana, uma rede de organizações pró-vida, disse que “como muitos de nossos aliados pró-vida, testemunhou o duro padrão duplo dos gigantes da tecnologia”.

Enquanto o Twitter, por exemplo, permite que a Planned Parenthood promova o aborto e publique conteúdo ofensivo sem verificação. A organização sem fins lucrativos recentemente teve seu aplicativo de oração pró-vida removido da App Store sem aviso prévio.

A mudança de política do Google vem no meio de uma tempestade de recentes proibições anti-aborto. Na semana passada, o Alabama aprovou uma proibição quase completa do aborto . Os legisladores do Missouri aprovaram abortos depois de oito semanas. E a Geórgia não permite mais abortos depois de seis semanas.

Folha Gospel com informações de Christian Headlines