Igreja vazia
Igreja vazia

A Igreja Anglicana do Canadá (ACC, sigla em inglês) ficará sem membros até 2040 se sua taxa atual de declínio continuar, de acordo com um relatório divulgado recentemente.

O Rev. Canon Neil Elliot fez uma apresentação no último sábado no Conselho do Sínodo Geral da ACC sobre as estatísticas para os membros da Comunhão Anglicana em todo o mundo.

As estatísticas foram compiladas no ano passado e refletiram o número de membros em 2017. Foi o primeiro relatório sobre estatísticas da igreja desde 2001.  

Segundo o relatório de Elliot, em 2017, a ACC tinha aproximadamente 357.000 membros, representando 1% da população nacional em geral.

Esse foi um declínio acentuado em relação a 2001, quando a igreja relatou mais de 641.000 membros, representando 2% da população, e uma queda ainda mais acentuada em comparação a 1961, quando a ACC tinha mais de 1,3 milhão de membros, representando 7% da população.

Como observou Elliot, de 1961 a 2001, o número de membros diminuiu cerca de 50%, levando-o a projetar que o corpo da igreja não terá mais membros até 2040 se o declínio continuar na sua taxa atual.

Comparando os números de 2001 e 2017, Elliot descobriu que a participação média no domingo caiu de 162.168 para 97.421 e o número de “doadores regulares identificáveis” caiu de 212.577 para 130.456.

A arcebispa Linda Nicholls, chefe da ACC, disse em comunicado que o relatório foi um “alerta”, enfatizando a necessidade de a denominação se concentrar na missão em questão.

“Somos chamados a fazer e ser o povo de Deus em um lugar específico, com o objetivo de compartilhar as boas novas de Jesus Cristo, e a única pergunta é: ‘Como precisamos compartilhá-las, para que possam ser ouvidas por aqueles que estão ao nosso redor? ‘”afirmou Nicholls, conforme relatado pelo jornal nacional da ACC, o Anglican Journal.

“Espero que, quando sairmos daqui, a mensagem que recebemos não seja ‘Ah, não, a igreja está morrendo’, mas ‘Oh, nós temos um desafio’ … Mas também temos uma maneira esperançosa de abordar isso.”

A Igreja Anglicana passou por um debate divisivo sobre questões LGBT, com muitos deixando a igreja nos últimos anos devido à direção teologicamente liberal geral da denominação.

Em 2008, por exemplo, o teólogo JI Packer, nomeado um dos 25 evangélicos mais influentes do mundo pela revista Time em 2005, deixou a denominação sobre o que chamou de “liberalismo venenoso”.

Em julho, o Sínodo Geral da igreja não aprovou uma emenda ao seu cânone para permitir a bênção de casamentos entre pessoas do mesmo sexo, apesar do forte apoio da denominação.

A emenda exigiu dois terços dos votos das três ordens do Sínodo Geral. Embora tenha conseguido isso da Ordem dos Leigos (80,9% de apoio) e da Ordem do Clero (73,2% de apoio), não o fez na Ordem dos Bispos (62,2% de apoio).

“Nós, membros da Casa dos Bispos da Igreja Anglicana do Canadá, vemos a dor e a angústia infligidas às pessoas LGBTQ2S +, aos membros do Sínodo Geral, em toda a igreja e no mundo, como resultado do trabalho e do voto sobre o assunto do cânon XXI, relativo ao casamento”, declarou a Câmara dos Bispos, conforme relatado pelo Episcopal News Service.

“Vemos suas lágrimas, ouvimos seus gritos e choramos com você. Nós causamos uma profunda mágoa. Lamentamos profundamente”.

Folha Gospel com informações de The Christian Post