Pedofilia na igreja
Pedofilia na igreja

A Igreja Católica Romana em Ontário, no Canadá, foi condenada a pagar um total de US$ 2,57 milhões a um homem que foi molestado sexualmente por um padre há 50 anos.

O júri do Tribunal Superior de Ontário ordenou à Congregação católica de São Basílio, com sede em Toronto, que pague US$ 500.000 em danos morais a Rod MacLeod pelos abusos cometidos pelo falecido padre William Hodgson “Hod” Marshall.

De acordo com a Globe and Mail , Marshall havia abusado sexualmente de MacLeod 50 vezes entre 1963 e 1967, quando a vítima frequentava a St. Charles College High School, em Sudbury.

Marshall, que atuou como professor de ginástica na escola, ficou conhecido como “Happy Hands” (“Mãos Felizes”) por seu constante abuso sexual dos estudantes. Em 1996, Marshall havia admitido na igreja que ele havia abusado entre 58 e 87 vítimas durante um período de trinta anos.

O padre foi preso por dois anos em 2011 após ser condenado por agredir 16 crianças e uma mulher. Pelo menos 17 processos foram movidos contra Marshall, mas a maioria foi resolvida fora do tribunal. Ele foi exonerado em 2013 a seu próprio pedido e faleceu aos 92 anos em 2014.

De acordo com o The London Free Press , as alegações de abuso contra Marshall chegaram a 1947, mas ele foi autorizado a continuar a servir como padre.

Até seis relatórios foram feitos contra ele durante o seu mandato, inclusive no momento de sua aposentadoria em 1989.

No total, MacLeod receberá US $ 2,57 milhões, o que inclui compensação por salários perdidos, sofrimento e perda da vida.

MacLeod, agora com 68 anos, disse que o trauma emocional e psicológico do abuso ainda “borbulha dentro de mim”.

London Free Press  relatou que ele havia deixado abruptamente uma carreira nas forças armadas, bem como uma forte carreira no setor de construção.

“Essa tem sido a história da minha vida. Eu tenho grande sucesso e então ela simplesmente se desfaz por causa dessa energia interna que diz: ‘Olha, você não vale nada”, disse ele.

Ele expressou alívio por ter concluído o processo judicial que o forçou a revisitar o abuso. “Finalmente chegamos ao fim aqui”, ele comentou.

Fonte: The Christian Times