"La Casa de Papai", culto temático da Igreja Quadrangular

A Igreja do Evangelho Quadrangular (IEQ) de Macapá (AP) organizou um culto temático voltado para jovens chamado “La Casa de Papai”, inspirado na série da Netflix, “La Casa de Papel”.

“La Casa de Papel” é um fenômeno de audiência da Netflix no Brasil, tornando-se a série de língua estrangeira mais assistida no serviço de streaming.

A série, produzida na Espanha, fala sobre valores opostos aos do cristianismo, com uma romantização de um pretenso crime perfeito, em que um grupo de ladrões regido por um exímio estrategista invade a Casa da Moeda espanhola, em Madri, e sequestra funcionários e visitantes. Ao longo dos episódios, mentiras, sexo explícito, promiscuidade e abuso de álcool são apresentados na narrativa.

Mesmo com este enredo, a Igreja do Evangelho Quadrangular (IEQ) de Macapá (AP) considerou que valia a pena investir num culto temático alusivo à série voltado para jovens.

“Qué comienze la fiesta! 😎 Ei Jovem! Sábado é o dia do jovem Quadrangular e preparamos algo especial para este dia e você não vai ficar de fora né? Queremos te ver lá com a gente!”, anunciou a congregação da IEQ no Facebook.

A ideia, ao que parece, foi colocada em prática por outras igrejas, que também usaram a ideia para eventos similares, como a Rede Revival, de Parnamirim (RN); Primeira Igreja Batista em Santa Amélia, Belford Roxo (RJ); e a IEQ Band, em Campo Grande (MS).

Segundo o site Gospel +, o banner de divulgação do evento se tornou motivo de chacota em sites de humor, memes nas redes sociais e comentários ácidos de evangélicos inconformados com a iniciativa. “Eu procuro fazer humor criticando o comportamento de alguns dentro do mundo gospel, mas tem gente que passa do limite”, opinou o youtuber cristão Kiko de La Rocha.

“Agora uma igreja resolveu atrair novos fiéis, jovens obcecados com maratonas para o seu culto. Chamada de La Casa de Papai, a ideia é louvar ao nosso Senhor, mas sem pensar em assalto a bancos”, suavizou o humorístico Não Salvo.

A febre em torno da série da Netflix é tão grande que até camisetas com a logomarca da “versão gospel” começaram a ser vendidas por páginas no Facebook. “Essa série só deu ideia errada”, comentou um internauta, referindo-se ao “culto temático”.