A cruz de um local de reunião de Kangshanli foi retirada.
A cruz de um local de reunião de Kangshanli foi retirada.

Grupos religiosos na China são forçados a se submeter ao PCCh (Partido Comunista da China) e organizar atividades seguindo as políticas do Partido; caso contrário, eles serão identificados como ilegais e direcionados à erradicação.

Em 16 de outubro, mais de 20 funcionários do governo do distrito de Cangshan em Fuzhou, capital da província de Fujian, no sudeste , entraram à força no local da reunião em Kangshanli, removendo a trava com uma serra elétrica. Eles então começaram a derrubar todos os símbolos cristãos, incluindo a cruz e os dísticos religiosos.

Para impedir que os fiéis se reencontrem, oficiais do governo mudaram a fechadura da porta de entrada. Eles publicaram um aviso emitido pelo Departamento de Assuntos Étnicos e Religiosos, proibindo o local da reunião por ser “ilegal”.

De acordo com os membros da congregação, seu local de culto está sujeito ao assédio frequente do regime desde a sua criação, há 15 anos, por se recusar a ingressar na Igreja oficial do governo chinês. 

As autoridades chegaram a empregar policiais para intimidar os fiéis a parar de participar de atividades religiosas usando vários pretextos, como “o prédio tem problemas de segurança” ou “os veículos elétricos dos fiéis estão bloqueando as entradas de automóveis” e similares.

Em setembro, para monitorar a congregação, oficiais do governo instalaram câmeras de vigilância na entrada do local da reunião, alegando que isso havia sido feito por razões de segurança.

Algumas operações de apreensão também resultam em prisões de crentes. Em 23 de junho, mais de 20 policiais, carregando barras de ferro e bastões elétricos, invadiram um porão pertencente a um pregador no município de Fugong, na província de Nujiang , na província de Yunnan, no sudoeste da China. 

Alegando que é ilegal operar locais de reuniões privadas, os oficiais confiscaram todas as Bíblias, livros de hinos e outros itens nas instalações; eles também prenderam dois pregadores e três colegas de igreja por realizarem “atividades religiosas ilegais”.

Três deles permaneceram em custódia por mais de 20 dias. No mesmo dia, a polícia também invadiu outros três locais de reuniões administrados pela igreja e levou oito diáconos.

Folha Gospel com informações de Bitter Winter