Jerusalém
Jerusalém

Israel encerrou as suas fronteiras a estrangeiros em novembro, em resposta ao surgimento da nova variante da covid-19 Ômicron.

Mas esta semana, as autoridades israelitas decidiram abrir uma exceção para o programa ‘direito de nascença’ [Birthright], que oferece viagens a Israel para jovens judeus de todo o mundo, sem custos.

São esperados, na próxima semana, grupos dos Estados Unidos, desde que os participantes tenham o esquema vacinal completo e permanecem em pequenas ‘bolhas’, noticia a agência AP.

As restrições permanecem em vigor para os restantes turistas estrangeiros, incluindo peregrinos cristãos que tradicionalmente se deslocam em grande número a locais como Jerusalém, Nazaré ou Belém, a cidade bíblica da Cisjordânia ocupada, reivindicada pelos cristãos como o local de nascimento de Jesus.

Para o porta-voz e conselheiro das igrejas cristãs na Terra Santa, Wadie Abunassar, várias igrejas ficaram chateadas com o tratamento seletivo e acusou Israel de discriminar os peregrinos cristãos.

“A discriminação racista nunca deve ser aceite de forma alguma. Exorto as autoridades israelitas a tratarem com igualdade todos aqueles que desejam visitar o país, sem qualquer discriminação religiosa”, referiu numa nota divulgada na rede social Facebook.

Fonte oficial da Igreja Católica frisou que a decisão de Israel deixou a igreja chocada e em fúria.

A mesma fonte, que falou sob a condição de anonimato, acrescentou que a igreja, juntamente com outras agregações, apelou ao Ministério do Turismo israelita para permitir que os peregrinos cristãos possam viajar durante a época festiva.

O Ministério do Interior de Israel, que supervisiona as políticas de fronteira, esclareceu que as restrições mantêm-se e que não é permitida a entrada de estrangeiros naquele país.

Mas acrescentou que uma série de exceções foram permitidas, incluindo uma decisão “específica” para o programa Birthright.

Embora admita que as autoridades israelitas possam discutir a possibilidade de serem permitidas outras exceções no futuro, não forneceu mais detalhes sobre estas.

A proibição de estrangeiros entrarem em Israel afetou a indústria do turismo.

As autoridades de Belém, cuja economia depende fortemente dos visitantes na época do Natal, alertaram que estas restrições arruinaram a temporada de férias pelo segundo ano consecutivo.

A Cisjordânia não tem aeroporto próprio e a maioria dos visitantes estrangeiros chegam desde Israel.

A covid-19 provocou pelo menos 5.320.431 mortes em todo o mundo desde o início da pandemia, segundo o mais recente balanço da agência France-Presse.

A doença respiratória é provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detectado no final de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China, e atualmente com variantes identificadas em vários países.

Uma nova variante, a Ômicron, classificada como “preocupante” pela Organização Mundial da Saúde (OMS), foi detectada na África Austral, mas desde que as autoridades sanitárias sul-africanas deram o alerta, em 24 de novembro, foram notificadas infeções em pelo menos 77 países de todos os continentes, incluindo Portugal.

Com informações de Lusa e Notícias Ao Minuto


Comentários