O religioso foi condenado pela 3ª Vara de Castanhal a cumprir 16 anos, três meses e 25 dias de reclusão, por estupro de vulnerável.

O juiz Márcio Campos Barroso Rebello determinou a prisão preventiva do padre Marcelo de Matos Tinoco.

A sentença foi proferida pelo juízo da Comarca de Castanhal em janeiro deste ano. Marcos Rabello responde cumulativamente pelas 3ª e 4ª Varas Penais de Castanhal e Santa Luzia do Pará.

Conforme a denúncia, “no dia dos fatos (13/06/2012), após uma celebração religiosa na Igreja a qual pertencia, o acusado deu uma carona para a vítima L.D.P.S.C (12 anos à época dos fatos) até um jogo de futebol”. Ainda segundo a denúncia, a vítima atuava como coroinha na igreja e durante o trajeto pararam em uma sorveteria e em seguida o acusado entrou em um ramal, desligou o veículo e passou a praticar os atos “sempre com um olhar diferente”.

O advogado do padre requereu em habeas corpus a liberdade do condenado, sendo deferida no último dia 06/02. Na sessão realizada na última segunda-feira, os desembargadores das Câmaras Criminais Reunidas ao julgarem o mérito do pedido de habeas corpus conheceram e denegaram a ordem, cassando a liminar anteriormente concedida.

[b]Fonte: Diário do Pará[/b]