Gráfica cristã Hands On Originals
Gráfica cristã Hands On Originals

Uma gráfica de propriedade cristã que foi processada após se recusar a criar camisetas promovendo um festival do orgulho gay em Lexington, Kentucky, nos EUA, ganhou a ação judicial na Suprema Corte.

A Hands On Originals, cujo proprietário é o cristão Blaine Adamson, foi convidado em 2012 pela Organização de Serviços para Gays e Lésbicas (GLSO, sigla em inglês) para criar camisetas para o Lexington (Ky.) Pride Festival com círculos coloridos em arco-íris. 

Quando Adamson disse que não podia imprimir as camisas devido a suas crenças religiosas e indicar outra gráfica, a organização apresentou uma queixa à Comissão de Direitos Humanos do Condado de Lexington Fayette Urban City, alegando discriminação com base na orientação sexual / identidade de gênero.

Embora a comissão que analisou o caso tenha ficado do lado do GLSO, Adamson venceu no tribunal inferior e depois no tribunal de apelações.

Na quinta-feira, 30 de outubro, a Suprema Corte do Kentucky deu a Adamson outra vitória ao decidir que a Organização de Serviços de Gays e Lésbicas não tinha legitimidade para apresentar o caso. A ordenança em questão protege indivíduos, mas não grupos, decidiram os juízes  . 

A Alliance Defending Freedom (ADF), que representava Adamson, comemorou a decisão.

“[A] decisão deixa claro que esse caso nunca deveria ter acontecido”, disse o advogado sênior da ADF, Jim Campbell, que argumentou perante o tribunal estadual. “Por mais de sete anos, funcionários do governo usaram esse caso para virar a vida de Blaine de cabeça para baixo, embora tenhamos dito desde o início que o processo não cumpria os requisitos legais da cidade.

“A Primeira Emenda protege o direito de Blaine de continuar servindo a todas as pessoas enquanto se recusa a imprimir mensagens que violam sua fé”, acrescentou Campbell. 

A ADF argumentou que Adamson não recusou a solicitação da organização por causa da orientação sexual do cliente – mas, em vez disso, por causa da mensagem.  

Uma coalizão de procuradores-gerais de 10 estados tomou o partido de Adamson e apresentou uma petição argumentando que a lógica da comissão era “um escritor freelance que se oponha a seita Cientologia estaria violando a equidade da Justiça… se ele se recusasse a escrever um comunicado à imprensa anunciando um evento da seita e um ator estaria violando a ordenança se ele se recusasse a se apresentar em um comercial para uma organização religiosa da qual ele desaprova”.

Folha Gospel com informações de Christian Headlines