A Justiça concedeu liminar à Igreja Universal do Reino de Deus determinando que o Google desvincule a expressão “anticristo” e “sinagoga de satanás” da localização do Templo de Salomão no Google Maps, sob pena de multa diária de R$ 5 mil. A decisão foi concedida pelo juiz da 12ª Vara Cível de São Paulo.

[img align=left width=300]http://extra.globo.com/noticias/brasil/19987376-ba9-dc6/w448/templo.jpg[/img]Quem acessa o serviço de mapas do Google e procura pela palavra “anticristo” permanece sendo direcionado para o templo, localizado no Brás, na região central de São Paulo. O endereço fornecido pelo Google corresponde ao do local. Em julho, a associação do termo ao local provocou alvoroço nas redes sociais.

Na ocasião, a Igreja Universal do Reino de Deus criticou a vinculação dos termos.

“Esse tipo de atentado não é novidade. Há farto noticiário na própria Internet relatando casos semelhantes envolvendo governos, políticos, companhias, instituições diversas. A própria empresa Google já reconheceu o uso condenável que é dado às suas ferramentas, e deveria, com urgência, criar mecanismos que dificultassem sua deturpação”, relatava a nota.

O Google, por sua vez, disse que os mapas têm muitas fontes, incluindo usuários, e que quem encontrar erro ou imprecisão nos serviço pode reportá-lo através da ferramenta “reportar um problema”.

Por meio de nota, a Igreja Universal informou que tentou solucionar o caso diretamente com a gigante de buscas e comemorou a decisão judicial.

“A Igreja Universal esgotou todas as possibilidades de solução junto à empresa Google para que fosse interrompida essa abominável agressão a fé de milhões de pessoas que têm o Templo de Salomão como local sagrado. Felizmente, o Poder Judiciário pôs fim a um grave atentado à liberdade de crença assegurada a todos os brasileiros por nossa Constituição Federal”.

A instituição ainda afirmou que não irá aceitar ataques de preconceito religioso.

“A Igreja Universal não aceita e jamais aceitará calada ataques de preconceito religioso e a promoção do ódio gratuito contra nós. Continuaremos buscando na Justiça a devida reparação e a punição dos culpados”, informou.

Procurado pelo EXTRA, o Google ainda não informou se já foi notificado e quando as alterações serão feitas.

O luxuoso Templo de Salomão foi inaugurado em julho de 2014 e foi construído pela Igreja Universal do Reino de Deus. O local foi uma inspiração do bispo Edir Macedo e comporta até 10 mil pessoas.

Clique [url=http://s.conjur.com.br/dl/decisao-templo-salomaopdf.pdf]aqui [/url]para ler a decisão.

[b]Fonte: Jornal Extra e Consultor Jurídico[/b]