Cristãos continuam a fugir do Iraque por causa da perseguição religiosa, mesmo com o apelo dos líderes para que seus compatriotas voltem para casa.

Os líderes da igreja temem que o Iraque fique sem cristãos se o êxodo em massa continuar. “Os muçulmanos de Daura estão chamando os cristãos para voltarem” disse o bispo de Bagdá, Andraos Abouna.

O bairro de Daura em Bagdá tem sido cenário de perseguição de cristãos em massa desde 2003. As igrejas foram bombardeadas, as casas incendiadas, e os cristãos foram ordenados a sair de suas propriedades e fugir para salvar suas vidas, ou então, se converter ao islã.

Apesar da violência muçulmana, o bispo Abouna afirmou que a situação de segurança mudou dramaticamente, graças à presença das tropas americanas.

Recentemente, o governo iraquiano permitiu que a diocese contratasse seguranças particulares para proteger as igrejas em Bagdá. “Eles são todos cristãos e controlam o movimento nas igrejas. O governo paga por eles. São como a polícia comum, mas não estão entre eles.”

Abouna espera que, assim que os refugiados virem as melhorias na segurança, decidam retornar: “Esperamos que eles voltem.”

Um padre no Líbano disse aos iraquianos refugiados lá: “Vocês devem voltar para o Iraque. Nunca deveriam ter vindo para cá. Padres morreram pelo Iraque, e você deveriam ter ficado lá.”

No entanto, muitos iraquianos não gostaram das mensagens enviadas para que retornassem. Rana Ramzi al-Sayigh, 30, mãe de três filhos e viúva de um segurança morto por terroristas afirma: “Eu fiquei nervosa quando ouvi a mensagem. Todos ficaram. Eu perdi meu marido, será que o padre quer que todas nós fiquemos viúvas?”

Os padres e pastores tentam pessoalmente convencer os cristãos refugiados a retornarem ao país, mas não há previsão para isso acontecer, pois a população ainda teme novos ataques.

Fonte: Portas Abertas