Presidente dos EUA, Joe Biden (Foto: Pleno News)
Presidente dos EUA, Joe Biden (Foto: Pleno News)

Uma nova pesquisa pós-eleição revela que a maioria dos que votaram no presidente Joe Biden não acredita que “Deus é o criador todo-poderoso, onisciente, perfeito e justo” que governa tudo no céu e na terra hoje.

O Centro de Pesquisa Cultural da Universidade Cristã do Arizona divulgou o quarto relatório detalhado sobre a Pesquisa Pós-Eleitoral de 2020 na semana passada. A pesquisa foi realizada entre 4 e 16 de novembro de 2020. A última edição da pesquisa concentra-se nas opiniões dos eleitores de Biden em comparação com as opiniões dos americanos que votaram no ex-presidente Donald Trump, bem como dos eleitores e adultos como um todo.

Mais votos foram contados na eleição presidencial de 2020 do que qualquer outra na história dos Estados Unidos. O ex-vice-presidente Joe Biden obteve mais de 81 milhões de votos, o maior número de votos para qualquer candidato presidencial, contra 74 milhões do presidente Trump, o segundo maior número de votos em uma eleição. Seus totais também quebraram o recorde de votos do ex-presidente Barack Obama, que recebeu 69,5 milhões de votos em 2008.

Os eleitores de Biden constituem uma pluralidade dos pesquisados ​​pelo Centro de Pesquisas Culturais, respondendo por 426 dos 1.000 entrevistados. Medido em 387, os eleitores de Trump foram ligeiramente menos representados na amostra.

Enquanto 65% dos eleitores de Biden se descrevem como cristãos, a maioria (56%) disse que se considera “espiritual, mas não religioso” e 57% disse que não estava “profundamente comprometido com a prática” de sua religião. Além disso, a maioria dos eleitores de Biden tinha opiniões contrárias aos ensinamentos do Cristianismo.

Por exemplo, 68% dos eleitores de Biden acreditam que “O Espírito Santo não é uma entidade viva, mas um símbolo da presença, poder ou pureza de Deus”.

Sessenta e três por cento dos eleitores de Biden rejeitaram a noção de que “Deus é o criador todo-poderoso, onisciente, perfeito e justo do universo que governa esse universo hoje” e 72% disseram que acreditam que “uma pessoa que geralmente é bom, ou faz coisas boas o suficiente para os outros, vai ganhar um lugar no céu. “

Apenas 30% concordaram que a Bíblia “é a verdadeira ou inspirada Palavra de Deus e não contém erros”.

Setenta e cinco por cento dos eleitores de Biden citam algo diferente da Bíblia como sua fonte mais confiável de orientação moral. A maioria dos eleitores de Biden que se enquadram nesta categoria identificou seus sentimentos, experiências, amigos e família como suas fontes de orientação moral.

Os eleitores de Biden eram mais propensos do que os adultos em geral a acreditar que “ter fé é mais importante do que a crença que você tem”, com 79% dos eleitores de Biden e 74% de todos os adultos concordando com essa afirmação. Os eleitores de Biden eram menos propensos a se identificarem como cristãos do que os adultos como um todo e os eleitores de Trump.

Setenta e cinco por cento dos eleitores de Biden acreditam que “identificar a verdade moral depende de cada indivíduo; não há absolutos morais que se apliquem a todos, o tempo todo”. Entre todos os adultos, 67% disseram o mesmo.

Quando questionados se eles acreditam que “todas as crenças religiosas têm o mesmo valor”, 68% dos eleitores de Biden responderam afirmativamente, em comparação com 62% de todos os adultos e 56% dos eleitores de Trump. Em questões sociais, os eleitores de Biden tinham pontos de vista divergentes da população adulta como um todo, bem como de seus colegas votantes em Trump.

Com relação à questão do aborto, uma supermaioria (60%) dos eleitores de Biden acredita que a Bíblia é ambígua sobre o assunto, junto com uma pequena maioria de adultos como um todo (51%) e uma minoria de eleitores de Trump (41%).

Quarenta e dois por cento dos eleitores de Biden concordam que “o casamento de um homem com uma mulher é o único plano aceitável de Deus para a humanidade, para todas as culturas na terra”, enquanto a maioria de todos os adultos (54%) e eleitores de Trump (69%) acreditam que O plano de Deus para a humanidade requer a manutenção do casamento tradicional e da família nuclear.

A ideia de que apenas aqueles que confessaram seus pecados e aceitaram Jesus Cristo como seu Salvador irão para o céu quando morrerem tem 15% de apoio entre os eleitores de Biden, em comparação com 24% de todos os adultos e 34% dos eleitores de Trump.

Trinta e sete por cento dos eleitores de Biden veem Deus como “o criador todo-poderoso, onisciente, perfeito e justo do universo que governa esse universo hoje”, enquanto 47% de todos os adultos e 60% dos eleitores de Trump têm a mesma opinião sobre Deus.

Ele também descobriu que 31% dos eleitores de Biden são ativos em uma igreja cristã, em comparação com 42% dos eleitores de Trump.

A proporção daqueles que se identificam como teologicamente conservadores é de 25% entre os eleitores de Biden e 42% entre os eleitores de Trump. Um quarto (25%) dos eleitores de Biden aceitam o ensino de que “verdades morais absolutas existem e são definidas na Bíblia”, em oposição a 43% dos eleitores de Trump.

O relatório também incluiu dados sobre a demografia religiosa dos apoiadores dos dois principais candidatos presidenciais.

Uma pluralidade de eleitores de Biden (29%) “não acredita em Deus / se preocupa com Deus / acha que a existência de Deus é cognoscível”, enquanto 27% frequentam uma igreja protestante, 21% frequentam uma igreja católica, 13% “frequentam uma igreja cristã, tipo indeterminado “e 9% não são cristãos.

Enquanto isso, aqueles que frequentam uma igreja protestante constituem 42% dos partidários de Trump, enquanto os católicos são 21%, e aqueles que “frequentam uma igreja cristã, tipo indeterminado” foram 13%, os não cristãos 7% e aqueles que “não ‘não acredita em Deus / se preocupa com Deus / acho que a existência de Deus é cognoscível “compreendeu o restante de seus eleitores com 18%.

No geral, os eleitores protestantes pesquisados ​​preferiram Trump a Biden por uma margem de 14 pontos (47% a 33%), enquanto o segmento religioso dos chamados “Dont’s” preferiu Biden a Trump de 45% a 25%.

George Barna, o diretor do Centro de Pesquisa Cultural da Universidade Cristã do Arizona que conduziu o estudo, advertiu: “Se nosso governo negar os princípios fundamentais sobre os quais foi fundado – que foram originalmente derivados da Bíblia – em favor de uma colcha de retalhos inconsistente do moderno preferências filosóficas, o resultado será o caos, disputas constantes e insatisfação generalizada. “

De acordo com Barna, “Uma sociedade forte e próspera requer um fundamento estável de verdade sobre o qual se possa tomar decisões justas e apropriadas. Quanto mais os Estados Unidos se distanciam de suas amarras morais e espirituais, menos provável que tenhamos um governo vibrante e um estilo de vida saudável e vibrante. “

Folha Gospel com informações de The Christian Post