Aldeia dizimada após ataquedo Boko Haram em Dalori, no nordeste da Nigéria. (Foto: Reprodução/Irish Times)
Aldeia dizimada após ataquedo Boko Haram em Dalori, no nordeste da Nigéria. (Foto: Reprodução/Irish Times)

Mais de 1.000 cristãos foram mortos este ano na Nigéria, enquanto os ataques liderados por extremistas Fulani continuam a atormentar as comunidades rurais do Cinturão Médio, região do centro da Nigéria, de acordo com uma estimativa publicada pela organização não governamental Humanitarian Aid Relief Trust (HART), sediada no Reino Unido.

A HART, uma organização sem fins lucrativos fundada pela deputada britânica Baroness Caroline Cox para “apoiar pessoas que sofrem de conflito e perseguição”, divulgou um relatório no mês passado, compartilhando detalhes e testemunhos de uma recente missão de investigação à Nigéria.

O relatório de 18 de novembro é intitulado “Sua terra ou seu corpo: a crescente perseguição e deslocamento de cristãos no norte e no centro da Nigéria”. 

“As milícias islâmicas Fulani continuam se engajando em uma política agressiva e estratégica de apropriação de terras em Plateau, Benue, Taraba, Kaduna do Sul e partes do estado de Bauchi”, diz o relatório. “Eles atacam aldeias rurais, forçam os moradores a sair de suas terras e se estabelecem em seu lugar – uma estratégia que é resumida pela frase: ‘sua terra ou seu sangue’.”

Os fulanis são um grupo de povos nômades predominantemente muçulmanos de cerca de 20 milhões na África Ocidental e Central. Há muito que estão sob tensão com as comunidades agrícolas à medida que a escassez de terras aumenta e as populações humanas aumentam.

Embora os confrontos entre agricultores e criadores de gado não sejam novidade, a violência contra as comunidades agrícolas aumentou em gravidade, já que milhares foram mortos nos últimos anos. 

Embora o relatório afirme que o número exato de mortes em 2019 é desconhecido, “dados preliminares sugerem que mais de 1.000 cristãos foram mortos desde janeiro”. O HART estima que houve mais de 6.000 cristãos mortos desde 2015 e 12.000 deslocados de suas aldeias.

“Visitei muitas das áreas afetadas e vi as tragédias de morte e destruição”, disse Cox em comunicado. “Em todas as aldeias, a mensagem da população local é a mesma: ‘Por favor, ajude-nos! Os Fulani estão chegando. Não estamos seguros em nossas próprias casas.’”

Houve um aumento nos ataques extremistas de Fulani no estado de Kaduna em 2019, depois que os cristãos foram acusados ​​de um ataque de represália a um assentamento de Fulani que matou até 131 pessoas em fevereiro. 

Segundo o relatório, houve “cinco grandes ataques” em Kaduna entre janeiro e novembro, o que resultou em um total combinado de 500 mortes.

Um porta-voz do HART esclareceu que a estimativa de mil mortes conta “predominantemente pessoas mortas nos estados de Plateau, Kaduna do Sul e Taraba pelos pastores Fulani”, mas também inclui assassinatos do Boko Haram no estado de Borno.

O valor é parcialmente baseado nos relatórios do governo do estado de Kaduna em fevereiro e março, bem como nos relatórios da mídia e nos líderes comunitários no estado de Plateau. A figura também inclui assassinatos terroristas de oficiais de segurança e soldados do Boko Haram que se acredita serem cristãos. 

A descoberta ocorre quando uma organização da sociedade civil da Nigéria informou que pelo menos 2.400 cristãos foram mortos na Nigéria em 2018.

Em julho, a organização não-governamental internacional Jubileu Campaign enviou um relatório ao Tribunal Penal Internacional alertando que o “padrão de genocídio já foi atingido” na Nigéria. O relatório da Campanha do Jubileu destacou 52 ataques a comunidades agrícolas.

Segundo o HART, pastores cristãos e chefes de comunidade são frequentemente alvo de ataques, enquanto centenas de igrejas foram destruídas. 

“Os ataques, ocasionalmente, levaram à violência retaliatória, pois as comunidades concluem que não podem mais confiar no governo para proteção ou justiça”, diz o relatório HART. “No entanto, não vimos evidências de comparabilidade de escala ou equivalência de atrocidades”.

O relatório HART também apresenta testemunhos de sobreviventes.

“Nossa casa está destruída. O hospital foi queimado. Eles tentaram queimar o teto da igreja empilhando as cadeiras, como uma fogueira ”, disse Antonia Aje, 38 anos, de Karamai, ao HART. “A vida é assustadora. Às vezes, recebemos mensagens de um ataque renovado. Então nós corremos para nos esconder. Não temos meios de defesa. Não temos armas para nos defender. Não há nenhum tipo de segurança ou apoio de vigilantes. ”

Cox sustenta que o pedido de ajuda dos moradores sempre foi “ignorado”.

“Algo tem que mudar – urgentemente”, ela enfatizou. “Por muito tempo, toleramos esses massacres, mais encorajamos os agressores. Damos a eles uma ‘luz verde’ para continuar matando. ”

A Nigéria é classificada como a 12ª pior nação do mundo quando se trata de perseguição cristã, de acordo com a Lista Mundial da Perseguição, da Missão Portas Abertas.

Folha Gospel com informações de The Christian Post