Idosa internada no hospital
Idosa internada no hospital

Mais de 1.000 médicos da Nova Zelândia assinaram uma carta aberta se opondo a propostas para legalizar a eutanásia.

Em sua carta, eles pediram aos políticos que se concentrassem em salvar vidas e fornecer cuidados paliativos, em vez de tirar vidas.

O projeto de lei legalizará a eutanásia para adultos que supostamente têm menos de seis meses de vida, ou aqueles com uma condição médica que se acredita ser “grave e irremediável”.

Os médicos disseram: “Nós endossamos as opiniões da Associação Médica Mundial e da Associação Médica da Nova Zelândia de que o suicídio e a eutanásia assistidos por médicos são antiéticos, mesmo que tenham sido legalizados.

“Estamos comprometidos com o conceito de morte com dignidade e conforto, incluindo a provisão de alívio eficaz da dor e excelência em cuidados paliativos.”

Eles acrescentaram: “Acreditamos que cruzar a linha para ajudar intencionalmente uma pessoa a morrer enfraqueceria fundamentalmente a relação médico-paciente, que é baseada na confiança e no respeito.

“Estamos especialmente preocupados em proteger as pessoas vulneráveis ​​que podem sentir que se tornaram um fardo para os outros, e estamos comprometidos em apoiar aqueles que consideram suas próprias situações de vida um fardo pesado.”

Folha Gospel coom informações