A ministra Maria do Rosário (Direitos Humanos) defendeu os esforços da Câmara dos Deputados para enterrar o projeto apelidado pela imprensa de “cura gay”, que deverá ir amanhã ao plenário.

“O Brasil segue as orientações da Organização Mundial da Saúde, que exclui a interpretação sobre orientação sexual com o viés de doença.” O governo mobiliza aliados para que a proposta seja rejeitada e para pôr em discussão o texto que criminaliza a homofobia.

O presidente e líder do PSOL na Câmara, Ivan Valente (SP), prometeu apresentar hoje um requerimento para colocar o projeto em regime de urgência, com a intenção de fazê-lo seguir diretamente ao plenário. O texto, que prevê a liberação de tratamentos psicológicos sobre a orientação sexual, deverá ser rejeitado por ampla maioria na votação.

Aprovada na Comissão de Direitos Humanos e Minorias, a proposta revoga algumas resoluções do Conselho Federal de Psicologia que proíbem tratamentos para tentar mudar a orientação sexual.
[b]
Fonte: Folha de São Paulo[/b]