Missionária Heidi Baker cercada por crianças, em Moçambique
Missionária Heidi Baker cercada por crianças, em Moçambique

Heidi Baker, de 61 anos, mora em um dos países mais pobres e perigosos do mundo. Desde 2017, militantes ligados ao Estado Islâmico mataram mais de 2.600 pessoas e deslocaram mais 700.000 na sua invasão para estabelecer um califado islâmico na província de Cabo Delgado, em Moçambique. Al Shabab, um grupo terrorista militante, é responsável por dezenas de ataques terroristas a igrejas na região.

De acordo com o Departamento de Estado dos EUA , em 24 de março de 2021, o Al Shabab lançou um dos mais sangrentos ataques terroristas islâmicos no sul da África, invadindo a cidade de Palma, ao norte da casa de Baker, fazendo com que muitos fugissem para salvar suas vidas. De acordo com Faithwire, dezenas de civis, incluindo 12 estrangeiros, foram mortos. Alguns foram até decapitados nas praias de Palma.

Baker, que dirige a organização humanitária cristã Iris Global, vive em Moçambique há mais de 25 anos, experimentando em primeira mão a carnificina e o sofrimento. No entanto, ela afirma que o Senhor está trabalhando fortemente em todo o país. “Estou dizendo a você no meio da tragédia, Deus está fazendo as coisas mais incrivelmente belas e está enxugando as lágrimas”, disse ela.

“Igrejas foram queimadas e qualquer um que não esteja de acordo com este grupo específico de terroristas, seja qual for a fé que eles tenham, suas casas estão sendo queimadas também, suas plantações estão sendo queimadas”, disse Baker. Nina Diadara, outra moradora de Palma, confirmou o que Baker disse. Em uma declaração obtida pela Faithwire após escapar de um ataque, Diadara disse: “Eles estavam nos matando, queimando casas e levando nossos filhos”.

Ao longo de todos esses anos, Baker ouviu inúmeras histórias de sobreviventes que escaparam das garras dos jihadistas. Amina teve o marido assassinado por muçulmanos radicais porque se recusou a negar a Cristo.

“Ele foi morto na frente dela e os vizinhos revelaram que todos os membros da família tiveram que se banhar no sangue dele ou então seriam torturados”, contou Baker.

Ela também lembrou de Feli Zardo, que considera um verdadeiro milagre. Ele foi crucificado, depois incendiado e ainda sobreviveu à tortura. “Eles pensaram que ele estava morto e o tiraram da cruz. Feli ficou muito ferido e fisicamente todo marcado, mas agora ele lidera a logística de nossa equipe.

Baker diz que só quer continuar pregando o evangelho, mesmo em meio ao grupo terrorista militante. “Al Shabab, eles são um bando assustador. Não vou ser falso, não quero ser sequestrada, quero continuar a pregar este evangelho glorioso por muitas décadas.” Mas ela também disse: “Se você é um crente em Jesus, você é um dos primeiros que está certo na lista.”

Folha Gospel com informações de Christian Headlines