Missionário americano John Allen Chau foi recebido a flechadas pela tribo, mas continuou andando e depois teve uma corda amarrada em seu pescoço e foi arrastado pela praia. (Foto: PageSeven)
Missionário americano John Allen Chau foi recebido a flechadas pela tribo, mas continuou andando e depois teve uma corda amarrada em seu pescoço e foi arrastado pela praia. (Foto: PageSeven)

Um missionário americano foi assassinado enquanto tentava evangelizar uma das tribos mais isoladas do mundo.

John Allen Chau, de 27 anos, pegou uma carona com pescadores locais na Ilha Sentinela do Norte (Índia), que abriga uma tribo de caçadores-coletores, que estão isolados do mundo exterior.

As pessoas são proibidas por lei de visitar os moradores da ilha, “em uma tentativa de proteger seu modo de vida indígena e protegê-los de doenças”, informa a AFP.

O governo indiano até proibiu que pessoas de fora tirassem fotos ou gravassem vídeos da tribo.

De acordo com fontes da AFP, Chau “tentou chegar à Ilha Sentinela no dia 14 de novembro, mas não conseguiu. Dois dias depois, ele foi bem preparado. Ele deixou o meio do caminho marcado e levou uma canoa sozinho para a ilha”.

Chau teria enfrentado uma “enxurrada de flechas” assim que ele pisou na ilha.

“Ele foi atacado por flechas, mas continuou andando. Os pescadores viram os tribais amarrando uma corda no pescoço e arrastando o corpo”, disse a fonte. “Eles estavam com medo e fugiram, mas voltaram na manhã seguinte para ver se o corpo ainda estava na praia”.

Uma fonte, que pediu para não ser identificada, disse à Reuters que antes de ser morto, Chau escreveu que ele estava “fazendo isso para estabelecer o reino de Jesus na ilha … Não culpe os nativos se eu for morto”.

Chau morou no estado de Washington e foi para a Escola Cristã de Vancouver antes de frequentar a Universidade Oral Roberts.

Seus parentes expressaram sua tristeza pela morte do missionário na mídia social.

“Ele era um filho amado, irmão, tio e melhor amigo para nós”, escreveu a família Chau em um post no Instagram. “Para outros, ele era um missionário cristão, um EMT, um treinador de futebol internacional e um alpinista. Ele amava a Deus, a vida, ajudando os necessitados, e ele não tinha nada além de amor pelo povo Sentinelês”.

Chau não é o primeiro forasteiro morto pelos Sentineleses. Em 2006, dois pescadores indianos também foram mortos pela tribo enquanto pescavam na ilha.

Fonte: Guia-me