Cristãos realizam ajuda humanitária
Cristãos realizam ajuda humanitária

A pandemia quebrou um pensamento crescente em torno da noção de que a fé não é mais relevante para nossa sociedade, ou mesmo que é uma coisa negativa, afirma Tim Farron, apresentador do podcast ‘A Mucky Business’, que revela o mundo obscuro da política e incentiva os crentes em todo o Reino Unido a se envolverem em oração.

Ele relata que essa percepção aparece em uma pesquisa da Savanta ComRes, que mostrou que 42% dos adultos do Reino Unido concordam que as igrejas estão ajudando sua comunidade – um aumento de 7% em relação a antes da Covid-19.

Segundo Tim, que também é parlamentar cristão, esse reconhecimento se deve à atuação prática da fé cristã em servir aos necessitados, já que as igrejas arregaçam as mangas para assistir às pessoas.

Ele revela ainda que um grupo parlamentar de todos os partidos sobre fé e sociedade também produziu recentemente um relatório examinando as parcerias entre grupos religiosos e autoridades locais durante a pandemia.

“O relatório concluiu que 91 por cento das autoridades locais descrevem sua experiência de parceria com grupos religiosos como ‘muito positiva’ ou ‘positiva’”, diz.

A explicação sobre a atuação da igreja na comunidade, é porque entende melhor suas comunidades do que o governo. “As igrejas enraizadas nessas comunidades estão bem-posicionadas para conhecer suas necessidades e como melhor atendê-las. E agora, há motivos para estar otimista com o futuro”, diz Tim.

Essa eficiência fez com que o Faith New Deal do governo oferecesse um fundo piloto de um milhão de libras para grupos religiosos que desejam realizar projetos de parceria inovadores.

“Ele busca desenvolver um acordo entre grupos religiosos e governos locais e nacionais para ajudar a aproveitar a capacidade subutilizada do setor religioso, trabalhando em conjunto com os serviços públicos”, explica.

O Faith New Deal foi moldado por dois relatórios escritos por parlamentares cristãos: o conservador Danny Kruger e o trabalhista Stephen Timms.

Durante a pandemia, ainda mais do que o normal, os cristãos administraram bancos de alimentos, coletando, transportando e doando alimentos e dinheiro, fornecendo apoio pastoral e disponibilizando prédios de igrejas para os necessitados.

“Em South Cumbria, ninguém nega que a igreja esteve presente em nossas reuniões de resiliência do conselho regular. Todos veem sua relevância devido ao papel prático que desempenham”, diz Tim.

A mídia também está cada vez mais consciente desse papel. Recentemente, a BBC apresentou o Pastor Mick e os ministérios da Igreja na Rua em Burnley, enquanto buscavam abordar os desafios de partir o coração enfrentados pelas pessoas em sua comunidade local.

“Como cristãos, não devemos nos surpreender com isso, porque buscamos compartilhar o amor de Deus por aqueles a quem servimos”, diz Tim.

“Cremos que não somos salvos por fazer boas obras, mas salvos para fazer boas obras. A fé não deve ser vista como um assunto privado e pessoal, mas muito público”, diz o parlamentar.

Tim declara que “Cristo pede que não permaneçamos em nossas próprias bolhas confortáveis, mas que estendamos a mão e respondamos ao sofrimento e privações ao nosso redor”.

O paramentar cita Mateus 25, quando Jesus fala daqueles que herdarão o reino de seu Pai: “Tive fome e me deste de comer, tive sede e me deste de beber, eu era um estranho e me convidaste a entrar, precisava roupas e você me vestiu, eu estava doente e você cuidou de mim, eu estava na prisão e você veio me visitar…. Em verdade, eu lhe digo, tudo o que você fez por um dos meus menores irmãos e irmãs, você fez por mim”.

Tim diz que “devemos ser desafiados e encorajados por esses versículos. Oro para que a resposta da Igreja, grupos religiosos e instituições de caridade cristãs nos últimos 19 meses atraia aqueles ao nosso redor ao amor de Jesus Cristo, enquanto continuamos a servir suas necessidades em seu nome”.

Fonte: Guia-me com informações de Premier