Jovens da geração Y
Jovens da geração Y

Enquanto a maioria dos millennials vê Jesus e a Bíblia como pelo menos “um pouco positivos”, quase um terço da maior, mais educada e incompreendida geração da América também se identifica como LGBT, e 75% deles admite “buscar um sentido de propósito em vida ”, mostra um novo relatório da Arizona Christian University.

O estudo “Novos Insights sobre a Geração de Influência Crescente: Millennials In America”, do professor George Barna, mostrou que muitos dos desafios enfrentados pelos jovens, nascidos de 1984 a 2002, estão relacionados às suas visões sobre a fé.

“Por razões compreensíveis, milhões de millennials rejeitam a religião organizada, ou têm escrúpulos em relação aos líderes religiosos e, especialmente, sobre pessoas religiosas que podem provar ser hipócritas. Suas experiências, observações e suposições sobre religião, crenças espirituais e práticas de fé produziram uma experiência espiritual turbulenta ”, escreveu Barna.

O relatório observa que cerca de 59% dos millennials vêem Jesus como pelo menos “um pouco positivo”, com cerca de 39% o vendo como “muito positivo”. Outros 51% veem a Bíblia nesse espectro com 29% tendo uma impressão “muito positiva”. E quando se trata do cristianismo em geral, apenas metade dos millennials o vê como pelo menos “um pouco positivo”.

A maioria da geração também rejeita o ateísmo, com apenas 25% vendo-o como “um pouco positivo” e 8% vendo-o como “muito positivo”.

Enquanto a maioria dos millennials vê Jesus e a Bíblia positivamente e 65% ainda se identificam como cristãos, muitos não abraçam uma cosmovisão bíblica sobre sexualidade, a santidade da vida e outras questões. Cerca de 30% da geração do milênio, incluindo quase 40% dos adultos de 18 a 24 anos, se identificam como “LGBTQ”.

“A proporção de jovens adultos que se identificam como LGBTQ é cerca de três vezes a proporção identificada entre os adultos mais velhos no país. Dadas as implicações morais e políticas de tal identidade, essa caracterização por si só levanta uma série de desafios emocionais”, afirmou Barna, que também é professor da Arizona Christian University, com foco em avaliação da cosmovisão, desenvolvimento e transformação cultural.

O professor destacou que a confusão dos millennials sobre sua identidade é uma consequência de uma vida espiritual débil. “A confusão generalizada entre os jovens adultos a respeito de aspectos de sua identidade espiritual, sexual e propósito na vida é uma consequência direta desse vácuo de sabedoria espiritual”, acrescentou.

“Parece que muitas vezes os jovens adultos preenchem o vazio criando uma autoimagem que se baseia no egocentrismo, na autossuficiência e na independência. Isso pode ser percebido como arrogância, mas também pode ser um mecanismo de defesa encobrindo seus déficits pessoais com os quais eles lutam”.

De acordo com Barna, os desafios enfrentados pela geração do milênio podem ser solucionados quando os jovens mudarem sua visão de mundo e adotarem a cosmovisão cristã.

“Sua visão de mundo é a base de sua tomada de decisão. Cada escolha que você faz emerge de sua visão de mundo, que serve como o filtro através do qual você experimenta, observa, imagina, interpreta e responde à realidade. Isso significa que a cosmovisão está no centro de tudo o que estamos considerando em relação ao bem-estar e ao desenvolvimento da geração de jovens adultos”, explicou o pesquisador.

“Dada a centralidade da cosmovisão para a experiência humana, não pode haver melhorias na vida da geração do milênio sem abordar o papel fundamental da cosmovisão”, explicou ele. “E porque a cosmovisão é desenvolvida e realizada no mercado competitivo de crenças e comportamentos, pense nas consequências generalizadas para a geração do milênio de rejeitar a cosmovisão bíblica em favor de outras alternativas mais populares”.

Folha Gospel com informações de The Christian Post