A Assembleia Suíça, o parlamento nacional em Berna. / Foto: Hansjörg Keller , Unsplash, CC0
A Assembleia Suíça, o parlamento nacional em Berna. / Foto: Hansjörg Keller , Unsplash, CC0

Um membro do parlamento na Suíça está usando a recente proibição de burcas para introduzir outro debate relacionado ao papel da religião em praça pública.

O deputado Fabian Molina, do Partido Socialista Democrata (SP), pediu a retirada da menção a Deus do preâmbulo da Constituição suíça. O preâmbulo diz: “ Em nome de Deus todo-poderoso! O povo suíço e os cantões, na responsabilidade de cuidar do nosso meio ambiente, dão a si próprios esta Constituição … ”

Molina disse que tal declaração vai contra a neutralidade da confederação suíça e entra em conflito com a liberdade religiosa e a liberdade de consciência de não-crentes ou adeptos de religiões não-cristãs.

A Suíça é um dos países que mais influenciou a Reforma Protestante, com figuras como Jean Calvino (Genebra) e Ulrich Zwingli (Zurique). Tanto a letra do hino nacional quanto a cruz na bandeira do país aludem a essas raízes históricas.

O Partido do Povo Evangélico (EVP), que tem 3 representantes na Assembleia Suíça em Berna, disse que se opõe a esta medida. Argumentam que a menção a Deus na Constituição é “um sinal de consideração por um poder superior e um reconhecimento dos nossos próprios limites, pois procuramos viver em paz e para o bem de todos”.

Rejeitar as “raízes cristãs de nosso país” seria renunciar ao “fundamento comum de valores que nos une e mantém nossa sociedade unida”, acrescentou a EVP.

Esses valores cristãos são aqueles em que “ os direitos humanos e os direitos fundamentais se baseiam em todo o mundo – e que estão à disposição dos cidadãos, independentemente da sua religião”.

Marianne Streif , Presidente do Partido Popular Evangélico, afirmou: “Se retirarmos esta menção na nossa Constituição, estamos a sinalizar que queremos uma sociedade sem Deus”, um país que, portanto, deve continuar “sem estes valores [cristãos]”.

O Partido Socialista Democrata (SP) havia justificado a retirada de Deus do texto da lei básica porque “os suíços não querem uma teocracia ou um domínio da religião”.

Mas o EVP disse que isso é “um absurdo”, acrescentando que essa polêmica mostra “a polarização” na política e na sociedade.

A confederação suíça “protege totalmente a liberdade religiosa e a liberdade de consciência ”, argumentou Streiff, e, portanto, “não há necessidade de negar nossas próprias raízes”.

Folha Gospel com informações de Evangelical Focus