O Pr. A Dao foi preso por defender a liberdade religiosa em seu país. (Foto: Reprodução / USCIRF)
O Pr. A Dao foi preso por defender a liberdade religiosa em seu país. (Foto: Reprodução / USCIRF)

Preso em 2016, enquanto estava a caminho para visitar alguns membros de sua igreja, o pastor vietnamita A Dao, da Igreja Evangélica de Cristo Montagnard (MECC), acaba de ser libertado da prisão pelas autoridades de seu país.

Ele assumiu como pastor líder da igreja depois que seu predecessor, o Pr. A Ga fugiu para a Tailândia em 2013 devido à perseguição religiosa. Em julho de 2019, A Ga se reuniu com o presidente dos EUA Donald Trump durante a segunda reunião ministerial para o avanço da liberdade religiosa.

A prisão do Pr. Dao aconteceu após seu retorno da Conferência de Liberdade de Religião ou Crença no Sudeste Asiático (SEAFORB II), realizada no Timor Leste em agosto de 2016.

A Dao também defendeu a liberdade religiosa para seus companheiros membros da igreja nas Terras Altas Centrais do Vietnã e em outros lugares. Em agosto de 2016, ele participou da conferência sobre Liberdade Religiosa no Sudeste Asiático e da Conferência da Sociedade Civil da ASEAN / Fórum do Povo da ASEAN em Timor Leste. Nesses eventos, ele apresentou a situação do MECC e pediu ajuda à comunidade internacional.

Prisão e tortura

Sua família não foi informada de sua prisão e não recebeu notícias dele durante cinco dias.

A Dao foi preso em 18 de agosto de 2016, logo após seu retorno ao Vietnã. Em 28 de abril de 2017, foi condenado a 5 anos de prisão por “ajudar indivíduos a fugir ilegalmente para o exterior”, de acordo com o Artigo 275 do Código Penal do país.

Durante o interrogatório, ele foi torturado para extrair uma confissão. Mas o pastor negou a acusação e alegou sua inocência.

Dao continuou a sofrer maus-tratos na prisão. Na manhã de 1º de setembro de 2018, sua esposa, a Sra. Nguyen Thi Tuoi, o visitou na prisão de Gia Trung, na província de Gia Lai.

Os guardas permitiram uma visita muito breve, muito mais curta do que as anteriores. Seu rosto estava machucado, com vestígios de sangue. Ela soube que, em agosto de 2018, os guardas da prisão usavam outros internos para espancá-lo. Sua saúde estava fraca devido a espancamentos frequentes.

A saúde do pastor A Dao piorou como resultado do tratamento severo normalmente reservado para prisioneiros políticos. Foi relatado que ele foi torturado no final de 2019. Sem meios de subsistência viáveis, sua esposa teve que vender suas terras e morar com seus próprios parentes após enviar seus dois filhos em idade escolar para viverem separadamente com parentes diferentes.

A igreja do Pr. Dao tem experimentado assédio contínuo por parte das autoridades desde sua prisão.

Em junho de 2020, o comissário James Carr da Comissão dos Estados Unidos para a Liberdade Religiosa Internacional (USCIRF) prometeu adotar o Pr. A Dao como parte do Projeto dos Prisioneiros Religiosos de Consciência da Comissão.

“Espero que esta libertação seja um sinal de que o governo vietnamita leva a sério a melhoria das condições de liberdade religiosa e irá libertar outros indivíduos detidos por sua defesa da liberdade religiosa, incluindo Nguyen Bac Truyen”, disse o comissário Carr em resposta à libertação do pastor.

“Além disso”, continuou Carr, “a USCIRF exorta o governo a tomar medidas para garantir que as autoridades locais respeitem a liberdade e segurança de A Dao, caso ele opte por retornar à sua aldeia natal.”

Violações

A organização cristã CSW informa que continua a receber relatórios de graves violações da liberdade de religião ou crença (FoRB) contra todas as principais comunidades religiosas do Vietnã, incluindo budistas, católicos, cao-daístas e protestantes.

As violações variam de assédio, intimidação e monitoramento intrusivo a prisão, prisão, tortura e assassinato extrajudicial e costumam ser mais graves para indivíduos em áreas remotas que são minorias étnicas e religiosas.

O Presidente Fundador da CSW, Mervyn Thomas, deu as boas-vindas à libertação do Pastor A Dao, “embora observando que ele nunca deveria ter sido preso em primeiro lugar, pois era inocente das acusações levantadas contra ele”.

“Apelamos às autoridades para garantir que o Pastor A Dao seja capaz de desfrutar de sua liberdade sem medo de mais perseguições ou violações contra ele, sua igreja ou seus entes queridos. Também continuamos a pedir a libertação imediata e incondicional de todos os prisioneiros de consciência restantes no Vietnã, incluindo Nguyen Bac Truyen e Pastor Nguyen Trung Ton”, declarou.

Thomas diz que “a comunidade internacional deve garantir que quaisquer desenvolvimentos positivos limitados não obscureçam as contínuas e sérias preocupações com os direitos humanos no Vietnã, em particular quando a UE, o Reino Unido e os EUA procuram construir relações mais estreitas com o país.”

Fonte: Guia-me com informações de CSW e USCIRF