Mulher cristã pregando a Palavra de Deus (Foto ilustrativa: Portas Abertas EUA)
Mulher cristã pregando a Palavra de Deus (Foto ilustrativa: Portas Abertas EUA)

No contexto da Igreja Perseguida, alguns perseguidores acabam se tornando cristãos. Eles abrem os olhos e o coração para a beleza do Evangelho e passam para o outro lado, agora não mais odiando os seguidores de Cristo, mas amando como eles.

Preetha e o marido Navin (nomes alterados por motivos de segurança) odiavam os seguidores de Jesus, mas tudo mudou quando encontraram o salvador no vilarejo onde moram, na Índia.

Eles não conseguiam entender por que muitos amigos e vizinhos deixavam a fé hindu para seguir o cirstianismo, uma religião estrangeira. Por isso eram hostis com qualquer seguidor de Cristo que cruzasse o caminho deles.

Mas, a família indiana enfrentava uma grande batalha — a filha tinha uma doença de pele que parecia incurável. E esse foi o motivo pelo qual se depararam com a realidade do cristianismo.

O casal levou Mirai para fazer todos os tratamentos propostos pelo sacerdote hindu, mas nada resolvia aquele problema. Foi quando procuraram um pastor e, após a oração, a filha de Preetha e Navin foi curada.

Depois daquele milagre, eles decidiram seguir a Jesus e hoje são líderes cristãos que enfrentam a perseguição. Preetha conta detalhes sobre o dia em que foi atacada por fazer parte de uma comunidade cristã.

“Fui visitar outros cristãos e, de repente, alguns vizinhos começaram a nos atacar. Eles me bateram com uma barra de metal até eu ficar inconsciente”, lembrou. “Minha filha viu e me arrastou para dentro da casa, então eles passaram a atacar nós duas”, continuou.

Ela revelou que a filha também ficou muito machucada e que teve ferimentos internos. “Eles cortaram a minha mão entre os dedos”, contou. Depois de tudo, Preetha foi levada ao hospital, mas não foi atendida.

Quando acordou, no hospital, ela não podia falar e nem sentir a mão, então tentava gesticular para o filho para saber o que estava acontecendo e o motivo pelo qual ninguém havia dado a ela nenhum remédio e nem os primeiros socorros.

“Meus filhos explicaram que os médicos estavam sendo pressionados pelos extremistas a não prestar socorro. Foi quando entendi que poderíamos morrer ali, sem atendimento, simplesmente por sermos cristãos”, compartilhou.

Preetha e outras quatro pessoas feridas foram levadas a um hospital particular com a ajuda de cristãos. “Sem aquela ajuda eu teria morrido e a fé que meu marido tinha iria se enfraquecer”, disse ao mencionar que o esposo sofreu um ataque cardíaco depois daquele incidente.

Embora a família ainda enfrente as consequências do ataque, todos estão determinados a seguir a Cristo, independente da situação de perigo. “Deus nos encorajou enviando ajuda e provisão para todas as nossas necessidades, inclusive a financeira.

O radicalismo hindu ganhou força no início dos anos 90. O objetivo dos extremistas é tornar a Índia um país onde a religião oficial é o hinduísmo. Por esse motivo, os cristãos são constantemente atacados e os serviços essenciais e básicos do governo são negados a eles. “Se não fosse pelo povo de Deus não estaríamos vivos hoje. Eu agradeço de todo meu coração”, finalizou.

Fonte: Guia-me com informações de Porta Abertas