Yvelise de Oliveira entre Flordelis e o pastor Anderson
Yvelise de Oliveira entre Flordelis e o pastor Anderson

A Delegacia de Homicídios de Niterói e São Gonçalo, da Polícia Civil do Rio de Janeiro, intimou Yvelise de Oliveira a prestar esclarecimentos sobre o telefone celular do pastor Anderson do Carmo. Ela é mulher do senador Arolde de Oliveira (PSD), que não é investigado.

O aparelho desapareceu dias após a morte do pastor, em 16 de junho de 2019. Anderson do Carmo, marido da deputada federal Flordelis (PSD), foi assassinado com vários tiros na garagem da casa da família, em Pendotiba, Niterói, Região Metropolitana do Rio.

De acordo com as investigações, após a morte, o aparelho da vítima foi conectado a um chip em nome de Yvelise e utilizado no wi-fi da casa do senador Arolde, na Barra da Tijuca, na Zona Oeste do Rio.

Na análise dos dados técnicos, segundo fontes ouvidas pelo G1, a equipe da delegada Bárbara Lomba também descobriu que, horas depois de ser utilizado no Rio, o aparelho foi levado para Brasília.

Na capital federal, o celular teria sido conectado, ainda segundo as investigações, a um wi-fi de outro endereço residencial, antes de desaparecer em definitivo.

Yvelise deve prestar depoimento nos próximos dias, e a polícia pretende esclarecer de que forma o aparelho foi parar no endereço onde ela reside com o senador e qual o motivo do acesso aos dados com um chip em seu nome.

Nas eleições de 2018, Arolde de Oliveira se elegeu senador com mais de 2 milhões de votos. O político tinha uma relação bem próxima ao casal Anderson e Flordelis. Além ser exercer um papel de liderança no PSD, Arolde também é fundador do Grupo MK, gravadora gospel dos discos da deputada. Yvelise é presidente da empresa.

Antes do final de 2019, os investigadores tiveram acesso ao histórico de conversas e arquivos do celular. A Delegacia de Homicídios tenta descobrir o paradeiro exato do aparelho, desvendando por quais mãos ele passou até ser, de fato, inutilizado.

No fim de 2019, as configurações do aparelho foram restauradas e, com isso, a polícia teve acesso a informações como troca de mensagens, agendas e documentos particulares da vítima.

O conteúdo do aparelho diz respeito a questão familiares, já que as desavenças entre parentes são tratadas como uma das linhas de investigação para o crime.

Ao longo das investigações, a polícia descobriu que o telefone celular do pastor foi utilizado horas depois de sua morte. Pelo menos, duas mensagens foram repassadas do aparelho. A equipe de reportagem teve acesso ao conteúdo encaminhado a grupos de amigos.

As mensagens foram repassadas às 9h e às 10h07 de 16 de junho de 2019. Anderson foi assassinado na madrugada do mesmo dia, ou seja, horas antes.

“Caluniados e difamados”

Após a publicação da reportagem, em redes sociais, o senador Arolde de Oliveira publicou uma declaração em que diz que ele e sua mulher estão “sem chão” e se “sentindo caluniados e difamados”.

“Isso não existe. Estou perplexo. Cabe o ônus da prova a quem acusa. Nunca imaginei um ataque desta natureza. Deus é maior que isso tudo. Yvelise está tão perplexa quanto eu estou, e estamos achando que pode ter sido uma clonagem. Amanhã (quarta-feira) vou ver o que eu faço. Quem não deve, não teme”, disse Arolde.

“Eu realmente estou chocado e sem chão. Tanto eu, quanto a Yvelise, até porque ela não participa de embates políticos. Essa matéria pode ter sido engendrada com o objetivo de macular a minha imagem politicamente. Evidentemente vou arrumar um advogado para entrar no processo, avaliar todos esses pontos e ver se há abuso de autoridade”, afirmou com exclusividade ao Pleno.News.

Várias pessoas acessavam celular

Ao menos três depoimentos diferentes ligam Flordelis ao aparelho celular do pastor.

A deputada sempre sustentou que o aparelho desapareceu depois do crime e que ela não teve contato com o celular. Michele, uma das irmãs de Anderson, disse para a polícia que, no dia do crime, estava no quarto de Flordelis e observou quando a namorada de Daniel, único filho biológico do casal, entregou para a deputada um celular pequeno e cinza. Segundo o depoimento, Michelle tem absoluta certeza que esse seria o telefone do pastor.

Daniel confirmou para a polícia a versão de Michele. O rapaz disse ainda que viu o celular na cena do crime, junto com a carteira de Anderson e o controle remoto do portão da garagem.

O filho de Anderson contou que pegou o telefone no chão para ligar para a família de sua namorada, Emanuela.

Segundo o depoimento, Daniel estava com o aparelho quando foi para o hospital para onde o pai foi levado. Ele teria dado o celular para Emanuela assim que os dois voltaram para a casa. Em seguida, ela repassou o aparelho para a pastora Gleice, uma amiga da família. Segundo Daniel, depois disso ele não viu mais o telefone do pai.

De acordo com o depoimento do vereador de São Gonçalo Wagner Andrade Pimenta, conhecido como Misael, outro filho adotivo de Flordelis e Anderson, a deputada federal pegou o telefone do marido no mesmo dia de seu enterro.

Misael contou que no dia do assassinato, por volta das 19h30, ele estava na igreja Ministério Flordelis, em São Gonçalo, quando foi procurado pelo motorista da mãe, Márcio da Costa Paulo, conhecido como Buba. O motorista disse que estava com o telefone de Anderson do Carmo.

No dia seguinte, logo depois do enterro, por volta de 12h30, Misael perguntou a Buba sobre o telefone. A resposta do motorista foi que Flordelis tinha acabado de pedir o celular e ele teria entregado. Em outra parte do depoimento de Misael, o filho da deputada do PSD diz acreditar que Flordelis foi a mentora intelectual da morte do marido, o pastor Anderson.

À polícia, Misael contou ainda que durante uma reunião no quarto da mãe, dias após a morte, ela teria escrito em um caderno os dizeres: “Nós quebramos o celular do Niel e jogamos na ponte Rio-Niterói”.

Niel era o apelido de Anderson na família. Em depoimento, o vereador afirma ainda que o caderno passou pelas mãos de sua esposa, Luana, e de Daniel dos Santos, seu irmão.

Em nota, a Polícia Civil informou que o caso está sob sigilo.

A assessoria da deputada Flordelis informou que ela não comenta a investigação da polícia no caso.

O crime

Anderson do Carmo foi morto a tiros na garagem da casa onde morava com Flordelis e os filhos, em Pendotiba, Niterói, na madrugada do dia 16 de junho de 2019. Ele e a deputada federal tinham acabado de chegar em casa, e voltavam de uma confraternização.

O enteado do pastor Anderson e filho de Flordelis, Flávio dos Santos e o filho adotivo do casal Lucas dos Santos foram denunciados pelo crime e estão presos. Os dois respondem por crime de homicídio qualificado.

O inquérito foi desmembrado, e a polícia deu início à segunda fase da investigação para identificar a participação de possíveis coautores no crime.

A deputada também é investigada pela polícia.

Fonte: Extra e G1