A professora Gillian Gibbons (foto), que foi detida no Sudão por permitir que seus alunos colocassem o nome de Maomé em um urso de pelúcia, expressou hoje seu pesar pela dor causada e assegurou que tem um grande respeito ao Islã.

Em uma nota divulgada através da baronesa Sayeeda Hussain Warsi, membro da Câmara dos Lordes, a professora britânica destacou a generosidade que recebeu da população sudanesa durante os quatro meses que trabalhou na escola Unity High School.

“Encontrei amabilidade e generosidade na população sudanesa.

Tenho um grande respeito ao Islã e não ofenderia ninguém de propósito. Lamento se causei dor”, afirmou.

Ela também ressaltou que seus alunos eram maravilhosos e estavam fazendo progressos em seus estudos. “Sentirei muitas saudades deles e estou muito triste por pensar na dor causada por este caso”.

Gillian agradeceu a todas as pessoas que trabalharam em favor de sua libertação. “Lamento que não poderei retornar ao Sudão para trabalhar na Unity High”, disse.

A professora, que foi detida no Sudão por permitir que seus alunos colocassem o nome do profeta Maomé em um urso de pelúcia, obteve o perdão presidencial e foi libertada hoje.

Fonte: EFE