Escócia (Foto: Unsplash / EmranYousof)

Preocupações foram levantadas sobre a liberdade de expressão dos cristãos na Escócia, quando o Parlamento escocês considera ampliar as leis sobre crimes de ódio. 

A lei existente abrange raça, mas o Comitê de Justiça está considerando estender a lei para incluir religião, orientação sexual e identidade de transgêneros. 

Nigel Kenny, oficial da Escócia do Instituto Cristão, teme que o Projeto de Lei do Crime e Ódio Público (Escócia), como está atualmente, tenha “consequências profundas para a liberdade de expressão e liberdade religiosa”.

“Essas novas ofensas poderiam muito facilmente restringir nossa liberdade de proclamar Cristo como o único caminho da salvação ou de chamar as pessoas a se arrependerem do pecado – mesmo na igreja”, disse ele. 

Ele continuou avisando que o projeto, se aprovado, poderia levar as pessoas “involuntariamente” a cometer ofensas, mesmo “na privacidade de sua própria casa”. 

“Não há proteção suficiente para a liberdade de expressão”, disse ele. 

Kenny disse que é possível que críticos do cristianismo possam se apropriar das restrições para interromper o debate. 

Isso, ele disse, poderia impactar negativamente o evangelismo, o alcance da igreja e o envolvimento cristão em debates sobre questões morais e éticas. 

“É claro que os cristãos nunca apoiariam comportamentos genuinamente ameaçadores ou abusivos. Mas muitos daqueles que se opõem à verdade bíblica afirmam que discordância é ódio”, disse ele.

“A agitação dos crimes de ódio lhes daria uma nova ferramenta para tentar encerrar o debate e silenciar os cristãos. Tais leis, especialmente no clima de hoje, sem dúvida teriam um efeito assustador na liberdade de expressão”.

O Comitê de Justiça está buscando opiniões sobre o projeto até 24 de julho. As inscrições podem ser feitas por e-mail apenas para [email protected]

Folha Gospel com informações de The Christian Today