Pichação na fachada de uma igreja católica na Espanha./ Foto: OLRC

A Espanha desfruta de liberdade religiosa e de consciência, mas o Relatório Anual do Observatório da Liberdade Religiosa e de Consciência (OLRC) denuncia que a cada ano esses direitos são atacados por indivíduos, grupos ou instituições.

O ORLC é uma associação não governamental. Depois de coletar dados do ano de 2019, destacou que “ 80% dos casos contra a liberdade religiosa que ocorrem em nosso país são contra os cristãos”.

Embora o número de casos tenha diminuído em relação a 2018, a entidade alerta para o aumento de ataques violentos.

“Os casos de violência contra os fiéis aumentaram (de um caso em 2018 para três em 2019, todos contra católicos), bem como os ataques a locais de culto (de 53 a 55, a maioria contra templos ou símbolos cristãos)”, o relatório diz.

Quase 60 ataques contra crentes e locais de culto são relatados na Espanha
Número de ataques contra locais de culto na Espanha, 2014-2019. 
/ Relatório OLRC

María García, presidente do OLRC, acredita que os ataques vêm de indivíduos ou grupos que buscam “impor um secularismo radical que tenta eliminar todas as confissões do espaço público”.

“Como a Espanha é um país com raízes cristãs, é essa religião que é a mais atacada. Uma parte minoritária, mas muito beligerante, da sociedade, e alguns políticos, querem eliminar essas raízes e fazer todo o possível para impedir que os fiéis dessa confissão religiosa se manifestem como tais na vida pública”, explica García.

Além disso, “os dados obtidos em relatórios de outros países demonstram que essa também é uma tendência no resto da Europa ”.

O relatório também considera os partidos políticos como objeto de estudo, concluindo que o partido de esquerda Podemos “é o partido mais beligerante contra a liberdade religiosa, sendo implicado nos 19 casos analisados. Eles são seguidos pelo partido comunista Izquierda Unida e pelo social-democrata PSOE, com 14 casos cada ”.

O OLRC pede que os partidos políticos “ respeitem o direito à liberdade religiosa, individual e coletivamente, bem como os tratados assinados com as diferentes confissões religiosas”.

“Um estado secular não significa eliminar todos os símbolos religiosos e proibir os cidadãos de praticarem sua religião em público , mas respeitá-la”, destaca o OLRC.

Eles também pedem às autoridades que “respeitem a liberdade religiosa com medidas de vigilância para reduzir o número de profanações de templos; bem como perseguir aqueles que atacam locais de culto ”.

Folha Gospel com informações de Evangelical Focus