Carlos Alberto Parreira será o responsável pela preparação técnica. Moraci Sant’Anna cuida da parte física. Pastor Anselmo encarrega-se da preparação espiritual. Preparação espiritual? Exatamente.

Carlos Alberto Parreira será o responsável pela preparação técnica. Moraci Sant’Anna cuida da parte física. Pastor Anselmo encarrega-se da preparação espiritual. Preparação espiritual? Exatamente. Mas, alto lá. Não foi criado um novo cargo dentro da comissão que acompanhará a seleção brasileira na Copa do Mundo da Alemanha. Porém, a condição de “treinador da fé” existe, só que informalmente, e será exercida pelo paranaense Anselmo José Richardt Alves, convocado para o Mundial pelo grupo de Atletas de Cristo da seleção.

Nascido em Rio Negro, pastor da 1.ª Igreja Batista de Curitiba e ex-jogador de futebol, Anselmo realizou o mesmo trabalho na Copa da Coréia e do Japão, em 2002. Esteve ao lado de Alex Dias Ribeiro, ex-piloto de Fórmula 1 e diretor executivo da missão Atletas de Cristo, que nas Copas dos Estados Unidos (1994) e da França (1998) já havia orientado espiritualmente o Brasil. A parceria segue na Europa.

“Jesus é o treinador dos treinadores, nos ensina a sermos campeões no jogo da vida”, declara o Pastor Anselmo, 47 anos, sobre a importância do trabalho. Quanto à influência da pregação sobre a prática do futebol – em especial as faltas, às vezes violentas – ele esclarece: “O importante é não ser maldoso. Falta não é pecado, tem de jogar firme”.

Nas Copas América e das Confederações, assim como nas Eliminatórias, o pastor também marcou presença, sempre à convite do zagueiro Lúcio, o responsável pela organização das reuniões. Além do jogador do Bayern de Munique, farão parte do grupo neste ano Gilberto, Kaká, Zé Roberto, Cicinho, Edmílson, Cris, Luisão e Fred.

“É um trabalho autorizado pelo Parreira. Conversamos geralmente após os jogos, sobre tudo, oramos e lemos a Bíblia”, revela Anselmo, que baseia-se em exemplos bíblicos para motivar os atletas no gramado. “São passagens como a de Davi e Golias, que mostra a importância do preparo, de não confiar apenas no potencial”, relata, revelando uma mensagem que passará aos atletas para impedir que o favoritismo prejudique a equipe.

Como na campanha do penta, o religioso viajará por conta da Associação Missionária de Capelania e Discipulado a Esportistas (Amcades), mantida por Lúcio. E embora nunca tenha pedido ingressos para as partidas, deve assistir a todos os jogos.

Time aposta em imagens de santos e na bíblia

Jogadores e comissão técnica, que embarcam hoje rumo à Suíça, já puseram seus amuletos na bagagem.

O treinador Carlos Alberto Parreira e o coordenador técnico Zagallo viajarão com imagem de santo Antônio.

A imagem que Parreira levará ao Mundial foi benzida em Pádua, na Itália, onde o santo morreu em 1231.

Além da fé em santo Antônio, Parreira é devoto de são Judas Tadeu, padroeiro das causas impossíveis. “Gosto muito da história dele”, diz.

Edmílson, Adriano e Gilberto levarão a Bíblia. “Tenho a hábito de levar a Bíblia como companhia nas viagens. Leio sempre”, disse Edmílson, do Barcelona, que pode ser titular no Mundial.

Fonte: Gazeta do Povo e Folha de São Paulo