A popularidade do ex-líder soviético Josef Stalin permanece em alta na Rússia, chegando até mesmo a uma igreja ortodoxa na periferia de São Petersburgo, onde um dos padres expôs uma imagem que retrata o ditador junto à santa padroeira de Moscou.

Segundo a lenda, a protetora de Moscou assegurou em 1941 que Stalin derrotaria os nazistas. A iniciativa, no entanto, não agradou aos fiéis, cujos protestos induziram o pároco a transportar a imagem sacra para um local mais reservado da igreja, informou o jornal Novi Izvestia.

A popularidade de Stalin, no entanto, segundo confirmam pesquisas recentes, continua viva no país. Inclusive, houve algumas propostas para canonizá-lo, com a motivação de que o ditador era na realidade pio e devoto.

O primeiro a sugerir a canonização foi um dos mais conhecidos teólogos da Igreja Ortodoxa russa, o já falecido arcebispo Dmitri Dudko.

Até o momento, o patriarcado de Moscou não comentou o caso. Enquanto isso, o sacerdote Mikhail Ardov, conhecido por suas posições progressistas, denunciou a debilidade da igreja “frente estes pedidos terríveis de canonização de Stalin”.

Fonte: Ansa