Pastor Andrew Brunson está preso na Turquia. (Foto: ACLJ)
Pastor Andrew Brunson está preso na Turquia. (Foto: ACLJ)

Uma testemunha que prestou um depoimento anonimamente contra Andrew Brunson, o pastor norte-americano acusado de espionagem e acusações relacionadas com o terror na Turquia, afirmou ontem que Brunson ajudou militantes curdos e pretendia criar um estado cristão curdo, informou a agência de notícias estatal do país.

Brunson rejeitou vigorosamente as alegações na segunda sessão de seu julgamento, dizendo que ele nunca permitiu que “a política entrasse na igreja”, informou a Agência Anadolu.

O pastor evangélico de 50 ano,s da Carolina do Norte, enfrenta 35 anos de prisão na Turquia sob a acusação de “cometer crimes em nome de grupos terroristas sem ser um membro” e também “espionagem”.

Brunson nega qualquer irregularidade.

O pastor foi preso após uma tentativa de golpe em 2016 na Turquia por supostas ligações com o Partido dos Trabalhadores do Curdistão, ou PKK, além de uma rede liderada pelo clérigo muçulmano Fethullah Gulen, que é culpado pela Turquia por agitação política, mas nega qualquer conhecimento do golpe fracassado.

A agência de notícias AP informou  que uma ‘testemunha secreta’, de codinome ‘Serhat’, testemunhou através de um sistema de longa distância e alegou que Brunson ajudou militantes curdos de várias maneiras, incluindo aqueles que lutavam na Síria. Ele também afirmou que um sírio que se converteu ao cristianismo ajudou Brunson.

Brunson rejeitou enfaticamente as afirmações.

O tribunal adiou o julgamento para 18 de julho e determinou que o pastor permanecesse na prisão.

O caso estreitou os laços entre a Turquia e os EUA. Donald Trump twittou na defesa de Brunson no mês passado, dizendo: “O pastor Andrew Brunson, um excelente cavalheiro e líder cristão nos Estados Unidos, está sendo julgado e perseguido na Turquia sem nenhum motivo”.

O presidente dos EUA acrescentou: ‘Eles o chamam de espião, mas eu sou mais espião do que ele. Espero que ele possa voltar para casa, para sua linda família, aonde ele pertence!

Brunson, viveu na Turquia por 23 anos, servindo como pastor da Igreja da Ressurreição de Izmir, uma pequena congregação protestante.

A Igreja Evangélica Presbiteriana (EPC) mundial lançou um chamado para oração e jejum no fim de semana em ‘um esforço para se levantar e orar por toda a família Brunson’.

Fonte: The Christian Times