Lincoln Baena e Adelso Freire regravam o grande sucesso do gospel “Primeiro Amor”

    216

    Os anos 80 ficaram marcados na memória de muitos cristãos como a década de ouro, que trouxe grandes louvores com mensagens potentes, que se eternizaram e seguem vivos nos cultos de milhares de igrejas por todo o Brasil. A canção “Primeiro Amor”, da banda de rock cristão Rebanhão, é um grande exemplo desses clássicos que marcaram toda uma geração.

    Lançado em 1987, a música que carrega como mensagem primordial, a busca incessante pelo “Primeiro Amor” de Deus através da reconstrução, chega agora com uma nova mixagem em um relançamento do músico Lincoln Baena, que deu detalhes de seu novo projeto musical.

    – Incrível que quando resolvi separar o repertório para esse projeto, naturalmente todas as canções apontavam diretamente para esse lugar de paz, arrependimento, recomeço e todas essas coisas começam, na cruz de Cristo. Voltar ao primeiro amor é voltar literalmente para mensagem da cruz e, além de ser um privilégio cantá-la, eu tive de pedir carinhosamente a bênção do mestre Carlinhos Félix para isso – contou Lincoln.

    O relançamento de “Primeiro Amor” contará ainda com a participação do cantor e compositor Adelso Freire que, como narrado por Baena, chegou para somar voz à canção de uma forma inteiramente natural, quando o single ainda estava em fase de produção.

    – Eu estava colocando a minha parte e sendo dirigido pelo Adelso, quando do nada eu perguntei se não poderíamos gravar juntos. Ele me olhou e disse: “Será?”. Eu perguntei se poderíamos tentar, ele topou e parecia que já estávamos ensaiados há muito tempo. Foi uma experiência incrível – rememorou o artista.

    Assim como muitas pessoas, Adelso Freire também recorda que “Primeiro Amor” marcou muito a sua vida, principalmente quando ele começou sua caminhada na fé cristã.

    – Para mim, essa canção representa o cuidado de Deus em momentos decisivos. Sempre que me sinto distante do direcionamento de Deus, essa canção vem à minha mente me lembrando de quando comecei minha caminhada – explica Adelso.

    O músico recorda que sentiu na pele a necessidade de retornar a esse primeiro amor quando enfrentou um momento de esfriamento espiritual. Na época, Adelso confessa que seus compromissos profissionais com a música acabaram se sobrepondo a sua necessidade de estar em contato direto com Deus. Mas foi através da oração de sua esposa, Cyntia Freire, que ocorreu uma mudança sobrenatural em sua vida.

    – Tive três hérnias de disco e tive que parar. Não pude mais viajar e, com isso, a música “Primeiro Amor” entrou forte na minha vida de novo e eu cantei ela durante esses oito meses que não pude viajar. Voltei a me apaixonar! Voltei ao primeiro amor – recorda.

    O músico também falou sobre o novo projeto musical e sobre sua satisfação de regravar o sucesso “Primeiro Amor” ao lado de Lincoln Baena.

    – Foi um presente do céu para mim. Foi surreal no estúdio. Super espontânea a gravação, gravamos super sincronizados, cantando os dois ao mesmo tempo, foi incrível como fluiu a gravação! Sou apaixonado por essa canção, sempre fui! Não poderia deixar de aceitar um convite tão especial de um amigo que Deus me deu há pouco tempo – declarou Adelso Freire.

    O relançamento de “Primeiro Amor” faz parte de um novo projeto acústico de Lincoln Baena que terá um total de quatro singles. A música que ganhou uma nova mixagem, mas sem descaracterizar a versão original, contou ainda com um registro dos bastidores da produção, que Lincoln Baena batizou carinhosamente de “Clipdoc”.

    “Primeiro Amor” é o terceiro single do projeto acústico do cantor, que já contou com os lançamentos de “Fonte de Paz”, que já alcançou mais de 1 milhão de reproduções nas plataformas de áudio e vídeo, e “Outra Vez”, que já alcançou a marca de 580 mil reproduções.

    – Jamais imaginei isso! É a pura bondade de Deus! Eu quero encerrar esse projeto acústico junto com todos os amigos que me deram esse privilégio de estarem comigo nesse retorno. Já estamos costurando como vai ser – finalizou Baena.

    Comentários