A Igreja Evangélica Monte Sião realizou um culto de vigília em frente ao campo de futebol onde o papa Francisco discursou para os fiéis.

Uma vigília organizada por uma igreja evangélica na Comunidade da Varginha, em Manguinhos, na zona norte do Rio, durante a visita do papa Francisco à cidade para a Jornada Mundial da Juventude, causou polêmica entre católicos e foi classificada por muitos como um ato de desrespeito.

A Igreja Evangélica Monte Sião realizou um culto de vigília em frente ao campo de futebol onde o líder católico discursou pra os fiéis. Moradores da região e peregrinos afirmaram que o som vindo de templo evangélico e os cânticos e louvores em muitos estavam extremamente altos, e incomodaram a todos.

– Tem gente que não conseguiu dormir. O som estava alto demais – afirmou o marítimo Alexandre Pereira, 42 anos, hospedado na casa de amigos, que fica em frente ao templo evangélico.

O peregrino católico afirmou ainda que a vigília havia sido convocada só para os fiéis da denominação não terem como ver o papa, segundo o portal iG. Obreiros da igreja ficaram no portão de acesso ao templo e não permitiam a entrada de quem não fosse membro.

A polícia foi chamada para tentar convencer os pastores a interromper a vigília, mas a tentativa de persuadir os religiosos não teve sucesso.

– Os policiais que entraram devem ter aceitado Jesus e se juntaram aos evangélicos – provocou uma moradora, sem se identificar.

Arilda Cruz, 71 anos, também reclamou da realização da vigília evangélica, e afirmou que, caso fosse um evento evangélico, os católicos não fariam uma intervenção desse tipo.

– Se a festa fosse dos evangélicos, duvido que os católicos fariam isso. Mas não são todos os crentes que agem assim – ponderou.

Representantes da denominação não quiseram comentar se a vigília seria uma resposta à visita do líder católico.

[b]Pastor ironiza visita
[/b]
Outra polêmica envolvendo católicos e evangélicos durante a visita foram as várias críticas feitas por pastores à mobilização para recepcionar o papa. O pastor Laercio, da Igreja Universal do Reino de Deus em Copacabana, criticou o feriado que foi decretado por causa da visita, e ironizou afirmando que “com o papa, todo mundo é católico”.

– Agora, com o papa, todo mundo é católico. Nunca foi à igreja, é católico. É pecador, mas é católico – afirmou o pastor.

[b]Fonte: Gospel+[/b]