A polícia do Estado de Karnataka, sul do país, ordenou que vários líderes cristãos deixassem de realizar cultos aos domingos, dizendo que militantes hidus planejavam atacar suas igrejas, informou um oficial, em 23 de setembro.

Um pastor da área de Adyar, próxima à cidade de Mangalore, foi “intimado a comparecer à delegacia, onde lhe disseram para não realizar o culto no domingo, 24 de setembro, uma vez que radicais hindus tinham planejado atacar a reunião”, contou Sajan George, presidente do Conselho Global dos Cristãos da Índica (GCIC, sigla em inglês).

Ele disse que sua instituição também soube que pastores de várias congregações evangélicas, incluindo a Comunidade Nova Vida e a Igreja dos Fiéis, foram intimados e receberam ordens da polícia de “não receber pessoas da religião hindu durante suas reuniões de oração”.

Entretanto, “nossos pastores”, que são mantidos pelo GCIC, “informaram ao subinspetor da polícia que eles não podiam impedir ninguém que quisesse se juntar a eles para as reuniões e, por isso, eles necessitavam de proteção”, informou Sajan George.

Negociações

O presidente do GCIC afirmou ainda que um grupo de militantes hindus, que aparentemente estava presente durante as negociações com a polícia, fez ameaças de que “não permitiria que tais encontros de oração acontecessem no futuro. O subinspetor com quem conversamos expressou sua incapacidade de dar proteção…”

Enquanto se espera que os cultos dominicais continuem a acontecer em Karnataka, “nosso povo está bastante tenso em vista desses acontecimentos”, acrescentou Sajan George.

A inquietação em Karnataka acontece depois de vários relatos de incidentes envolvendo cristãos em toda Índia nos últimos dias.

Fonte: Portas Abertas