Projeto de lei tramita na Comissão de Constituição e Justiça. Autor busca apoio da bancada evangélica

Depois da polêmica gerada na cidade pelo dia do Orgulho Heterossexual, aprovado na Câmara Municipal, agora é a vez de os deputados estaduais decidirem se a data será estendida para todo o Estado de São Paulo. O projeto de lei que cria a comemoração, de autoria do deputado Dilmo dos Santos (PV), tramita na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Assembleia Legislativa.

Santos afirma que começará nesta semana a conversar com os cerca de 20 integrantes da Frente Parlamentar Evangélica para convencer os colegas a votar a favor do projeto.

Em sua justificativa, o deputado afirma que “homossexuais, se dizendo discriminados ou perseguidos, estão tentando aprovar leis que na realidade concedem a eles verdadeiros privilégios”.

Santos diz que respeita os homossexuais, mas diz não concordar com a “apologia ao homossexualismo”. Ligado à igreja Assembleia de Deus, Dilmo dos Santos afirma que vai procurar o governador Geraldo Alckmin (PSDB), nesta semana, para pedir apoio ao projeto caso o texto seja aprovado pelos deputados.

“Vou pedir apoio dele como pai de família. Eu vou lutar para ter maioria (na Assembleia) e para ter o apoio do governador, que é um homem casado e com filhos”, afirmou.

Santos afirma que encaminhou a proposta na Assembleia Legislativa estimulado pelo projeto do vereador paulistano Carlos Apolinário (DEM), também ligado à Assembleia de Deus. O prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, já disse que vai vetar a data municipal, que seria celebrada todo terceiro domingo de dezembro.

[b]Fonte: Band[/b]