Cristãos orando na Índia
Cristãos orando na Índia

O estado de Uttar Pradesh, no norte da Índia, foi o que teve o maior número de ataques violentos contra cristãos no primeiro semestre deste ano. Foram 26 casos no total, em que a violência geralmente é causada por acusações de “conversões forçadas”.

Em um dos incidentes, um grupo de 50, 60 pessoas de um grupo radical hindu atacou uma igreja protestante na cidade de Varanasi. “Eles vandalizaram a propriedade a ameaçaram o pastor de mais violência se ele não parasse de fazer conversões forçadas”, disse Sajan K. George, presidente do Conselho Global de Cristãos da Índia.

Enquanto isso, um grupo de 250 ativistas indianos entregaram uma carta aberta ao secretário geral da ONU, Antonio Guterres, durante sua visita ao país, no começo de outubro.

Na carta, eles disseram que a liberdade política e religiosa diminui desde que o primeiro-ministro Narendra Modi assumiu o poder, quatro anos atrás. Um relatório de setembro da ONU afirma que o governo do BJP “está ligado a incidentes de violência contra membros de grupos tribais, dalits, muçulmanos e cristãos”.

O BJP interpretou seu sucesso político como um “mandato” para expandir a causa de criar um Estado hindu.

Isso levou a um sentimento anticristão em todo o país. Shibu Thomas, fundador da organização interdenominacional indiana Persecution Relief, afirma: “De acordo com os perseguidores, os cristãos não têm nada a ver com nosso país e grupos extremistas proclamam que a Índia é para os hindus, que é uma nação hindu e todos os que nasceram aqui devem ser hindus”.

A organização documentou pelo menos 1200 casos de discriminação contra cristãos somente em agosto e setembro de 2018.

Os cristãos perseguidos da Índia estão em situação de vulnerabilidade e precisam ser socorridos em suas necessidades básicas. Com sua doação, você pode suprir seis famílias de cristãos indianos ainda este ano.

Fonte: Missão Portas Abertas