O Conselho da União Batista da Grã-Bretanha (CUBGB), reunido em Swanwick, Inglaterra, de 12 a 14 de novembro, preparou resolução de desculpas pela escravatura e o comércio de escravos. “Oferecemos nossas desculpas a Deus e a nossos irmãos e irmãs por toda a dor que causamos, originada no horror da escravatura”.

Tendo como tema principal de suas reuniões o debate em torno do tráfico de escravos, o Conselho declarou estar arrependido pela dor causada, as divisões criadas, a rejeição para enfrentar os pecados do passado, a falta de vontade para escutar a dor de irmãos e irmãs negros e o silêncio sobre o racismo e a injustiça de hoje em dia.

Os batistas britânicos afirmam reconhecer a sua participação e o benefício desfrutado pela nação através do tráfico de escravos.

A comercialização de escravos fez com que milhões de pessoas fossem seqüestradas e capturadas na África para serem escravizadas na América em troca de dinheiro, armas e provisões. A escravidão foi oficialmente abolida pelos britânicos em 1807. Entretanto, nas colônias britânicas essa prática foi abolida somente em 1838.

O secretário-geral da Aliança Mundial Batista (BWA), Neville Callam, expressou um profundo sentimento de alívio. Jamaicano, descendente de escravos africanos, Callam disse que “com esta simples ação, a CUBGB deu um grande passo para restaurar o lugar especial que ocupou ao preocupar-se com tantos batistas em todo mundo que foram afetados por isso”.

Fonte: ALC