O Papa Bento XVI estabeleceu nesta quinta-feira uma relação entre Jesus e os essênios, que ficaram conhecidos graças à descoberta dos manuscritos de Qumran descobertos no Mar Morto, ao afirmar que o calendário seguido por Jesus Cristo na Páscoa poderia ser o mesmo dessa misteriosa seita judaica.

Durante sua homília na “missa da Santa Ceia” desta quinta-feira, realizada na basílica romana de São João de Latrão, o Papa Ratzinger declarou que Jesus “celebrou a Páscoa com seus discípulos provavelmente segundo o calendário de Qumran, e por isso, pelo menos um dia antes” da data estabelecida na época.

Bento XVI acrescentou que essa hipótese não é ainda aceita por todos, mas que é a mais provável para explicar as “aparentes contradições” entre os diferentes Evangelhos que contam a vida de Cristo.

No Evangelho de João, Jesus morre na cruz no momento da Páscoa judia, quando os cordeiros são sacrificados no Templo de Jerusalém, enquanto que, nos outros três Evangelhos, sua “Última Ceia” acontece na noite de Páscoa.

Além disso, segundo o Papa, Jesus celebrou a Páscoa “sem cordeiro, como a comunidade de Qumran”, que não sacrificava animais. “No lugar do cordeiro ofereceu a si mesmo, ofereceu sua vida”, acrescentou.

Os manuscritos de Qumran, descobertos em Cisjordânia, foram atribuídos pelos historiadores e especialistas em Bíblia aos essêniios, uma seita que rompeu com o poder sacerdotal de Jerusalém.

Alguns especialistas acreditam que Jesus era um essênio e seguia seus ensinamentos, versão que alimenta uma variada literatura a respeito, embora atualmente estudiosos mais alternativos já não estabeleçam essa relação.

Fonte: AFP