Bíblia, Alcorão e Torá são satirizados em papéis higiênicos na França
Bíblia, Alcorão e Torá são satirizados em papéis higiênicos na França

Policiais fortemente armados montaram guarda na noite de quarta-feira (21) quando uma cidade francesa desafiou o terrorismo islâmico ao projetar enormes imagens de desenhos animados do Charlie Hebdo em um prédio do governo local.

As projeções, que incluem caricaturas de Maomé, fazem parte de uma homenagem nacional francesa ao professor Samuel Paty, que ocorre na noite de quarta-feira. Paty, um professor de história na área metropolitana de Paris, foi assassinado na sexta-feira por um terrorista imigrante muçulmano porque mostrava os desenhos aos alunos como parte de uma aula sobre liberdade de expressão.

As imagens projetadas em duas prefeituras na região de Occitanie – Montpellier e Toulouse – por quatro horas na noite de quarta-feira também apresentam os três livros sagrados do cristianismo, islamismo e judaísmo como rolos de papeis higiênicos.

A prefeita regional Carole Delga foi citada pela FranceBleu ao dizer da decisão de mostrar a arte: “não deve haver fraqueza diante dos inimigos da democracia, diante de quem transforma a religião em arma de guerra … quem pretende destruir o República.”

Alvo de terroristas muçulmanos por fazer caricaturas de Maomé, o profeta islâmico, a equipe editorial do jornal foi atacada, e muitos mortos, após escritórios do Charlie Hebdo terem sido invadidos por homens armados em 2015.

O último ataque aos desenhos animados do Charlie Hebdo ocorreu na semana passada, quando Samuel Paty foi decapitado depois de mostrar os desenhos em sala de aula. Mas os ataques são anteriores ao Charlie Hebdo, com o jornal dinamarquês Jyllands Posten objeto de vários planos de ataque terrorista desde que publicou uma imagem de Mohammed usando uma bomba em seu turbante em 2005.

O ataque de sexta-feira gerou uma forte resposta do governo francês, incluindo policiais abordando indivíduos e organizações que expressaram apoio ao ataque e ao agressor imediatamente após a decapitação, e até mesmo à dissolução de organizações islâmicas extremistas no país que anteriormente tinham permissão para operar.

Uma mesquita na França que compartilhou um apelo à ação que, acredita-se, levou ao assassinato de Patey emitiu um pedido de desculpas por suas ações esta semana, insistindo que não era previsível que o chamado pudesse levar à morte de alguém. Apesar do pedido de desculpas, a mesquita não escapou da atenção do governo francês e será fechada na próxima semana.

Fonte: Guia-me com informações de Breitbart e Twitter