Militantes islâmicos do Boko Haram deixam vilas destruídas no extremo norte de Camarões
Militantes islâmicos do Boko Haram deixam vilas destruídas no extremo norte de Camarões

O grupo islâmico Boko Haram tem intensificado suas campanhas de terrorismo no extremo norte de Camarões.

Segundo uma fonte local disse à Portas Abertas, no dia 6 de janeiro, militantes do grupo atacaram três vilas próximas a Tourou, perto da fronteira com a Nigéria.

O crescente terrorismo neste local foi o motivo pelo qual Camarões entrou na Lista Mundial da Perseguição 2020 dos 50 países onde é mais difícil viver como cristão.

Na invasão à Hitawa, Hitere e Moudouko, que durou das 22h às 5h, os responsáveis pelo ataque mataram três cristãos, sequestraram ao menos três crianças cristãs e saquearam mais de 200 casas, levando comidas e roupas. Ao saírem, os militantes também mataram um homem em Guitsenad, que foi identificado como seguidor de religiões tradicionais africanas.

Os cristãos mortos no ataque à Moudouko foram identificados como Kidkaye Antoine, de 21 anos, Medge Guidkaye, de 62 anos, pai de 14 filhos, e Shele Ndouvagui, de 50 anos, que deixou sete filhos. Em Hitere, Wabayé Viché, de 40 anos, e Teweshé Ezechiel, pai de doze filhos, foram mortos. Um de seus filhos, Hawadak Teweshé, foi sequestrado junto com outros dois garotos, Warda Josue, de Moudouko, e Feuleongwi Yadak, de Hitere.

Os militantes voltaram à região nos dias 7 e 8 de janeiro e, dessa vez, atacaram as vilas de Nguedjele e Gochime, saqueando mais comida e roupas. O ataque forçou pessoas de Hitawa, que tinham buscado refúgio em Gochime, a fugirem novamente. Ao menos uma pessoa foi morta em Ngudjele, mas ainda não foi identificada.

Os ataques se deram após a visita de uma equipe da Portas Abertas à região em novembro, para dar apoio a comunidades afetadas com ajuda emergencial.

Vítimas dos ataques contínuos do Boko Haram disseram ao grupo de direitos humanos, Anistia Internacional, que se sentiam abandonados e sem proteção alguma oferecida pelo governo.

De acordo com a Anistia, entre janeiro e novembro de 2019, uma média de 25 pessoas foram mortas por mês nas mãos do Boko Haram no extremo norte de Camarões.

Os cristãos de muitos países da África Subsaariana, como Camarões, enfrentam grande perseguição de muçulmanos radicais e extremistas. Além disso, precisam conviver com outras situações de sua realidade, como guerras, fome e seca. Sendo assim, os cristãos precisam de preparo para manter a fé firmada em Cristo. 

Com uma doação, você permite que quatro cristãos da África Subsaariana recebam material de treinamento e capacitação.

Fonte: Portas Abertas