Cruz é arrancada do prédio de uma igreja com guindaste na China
Cruz é arrancada do prédio de uma igreja com guindaste na China

Mais de 250 cruzes foram removidos das igrejas pelas autoridades chinesas somente na província de Anhui, na China, entre janeiro e abril deste ano. As estatísticas chocantes destacam uma repressão crescente ao cristianismo na China comunista.

A revista italiana Bitter Winter informou que nesta última onda de remoções cruzadas, todas as mais de 250 cruzes foram retiradas de igrejas sancionadas pelo Estado, afiliadas ao Movimento Patriótico dos Três Autos, principalmente das cidades de Lu’an, Ma’anshan, Huaibei e Fuyang.

“Todos os símbolos cristãos são ordenados a serem removidos como parte da campanha de repressão do governo”, disse um funcionário da província de Ma’anshan à Bitter Winter.

Em um local de culto, a Igreja Gulou, na cidade de Fuyang, mais de cem fiéis tentaram impedir as autoridades de derrubar sua cruz em 1º de abril. No entanto, as autoridades voltaram no dia seguinte e removeram a cruz de fora do prédio.

É relatado que as autoridades locais disseram aos fiéis que a remoção da cruz fazia parte de uma política nacional do país para remover todos os símbolos religiosos de locais públicos.

Um congregante da igreja relatou: “Apoiamos o estado e cumprimos seus regulamentos. Podemos dialogar com o governo se ele achar que fizemos algo errado, mas eles não podem nos perseguir dessa maneira”.

“Os funcionários não mostraram documentos, temendo que as pessoas os implicassem com qualquer coisa por escrito. Eles apenas transmitiam ordens verbais e nos forçavam a obedecê-los”, acrescentou.

Em uma cidade, Lu-an, quase 200 igrejas tiveram suas cruzes removidas em 2020 até o final de abril, informou o Bitter Winter.

Os líderes da igreja foram ameaçados de prisão e fechamento da igreja se recusassem a retirada de suas cruzes.

Um fiel de uma igreja do condado de Hanshan relatou: “O fato de todas as cruzes da igreja terem sido retiradas nos deixa muito tristes porque a cruz [é] o símbolo principal de nossa fé. Mas não ousamos desobedecer ordens do governo central: peixinho não come peixe grande “.

Nos últimos anos, tem havido relatos de que o governo chinês planeja impor sua influência sobre as igrejas e o cristianismo no país. O ativista cristão chinês Bob Fu, fundador da China Aid, informou ao Congresso dos EUA que o governo chinês está supervisionando um plano de cinco anos para tornar o cristianismo mais compatível com o socialismo.

O plano inclui uma “reescrita” da Bíblia para fazer com que as ideias socialistas pareçam mais divinas, explicou Fu.

A China é listada pelo Departamento de Estado dos EUA há anos como um “país de particular preocupação” por se envolver em violações sistemáticas e flagrantes da liberdade religiosa.

A China está em 23º lugar entre os países da Lista Mundial da Perseguição, da Portas Abertas.

Folha Gospel com informações de The Christian Today