Abu Bakar Bashir, líder espiritual do grupo extremista Jemaah Islamiya, que organizou os atentados de Bali de 2002 nos quais morreram 202 pessoas, afirmou nesta segunda-feira que a iminente execução dos três condenados à morte pelos ataques é um assassinato sem justificativa.

Como nas vezes anteriores, Bashir, que passou 26 meses na prisão por sua relação com estes atentados, desculpou os réus Imam Samudra, Amrozi Nurhasyim e Ali Ghufron de qualquer envolvimento no maior ato terrorista cometido na Indonésia, informaram vários meios de imprensa locais.

“As bombas que explodiram em Bali não foram fabricadas por Amrozi e seus amigos, por isso que o governo deveria cancelar o plano (de fuzilamento) e investigar os fatos reais antes de decidir realizar a execução”, afirmou o religioso em um encontro com jovens muçulmanos na localidade de Bandung, próxima a Jacarta.

Fonte: EFE