Maria aos pés de Jesus
Maria aos pés de Jesus

O lugar mais alto que uma pessoa estar é aos pés do Salvador. É ali que encontramos abrigo para a nossa alma nas travessias pelos mares encapelados da vida. É ali que encontramos segurança para o nosso coração, diante dos terrores que nos assustam. É ali que encontramos uma fonte inesgotável de alegria, mesmo que as lágrimas rolem amargas pelo nosso rosto. Essa verdade magna da vida cristã pode ser vista, de forma eloquente, na vida de Maria, irmã de Marta e Lázaro. Ela só aparece três vezes no registro dos evangelhos, mas nas três que aparece, está aos pés do Salvador.

Em primeiro lugar, aos pés do Salvador para ouvir seus ensinamentos (Lc 10.39). Jesus está em sua casa. Era amigo da família. Marta está agitada de um lado para o outro, cuidando dos afazeres da casa, enquanto Maria está quedada aos pés de Jesus, ouvindo-lhe os ensinamentos. Marta fica perturbada com a inércia de sua irmã. Roga, então, a Jesus para interferir no caso e ordenar a Maria para sair de sua confortável posição, a fim de ajudá-la nas lides domésticas. Longe de Jesus repreender Maria, repreende Marta, dizendo: “Marta! Marta! Andas inquieta e te preocupas com muitas coisas. Entretanto, pouco é necessário ou uma só coisa; Maria, pois, escolheu a boa parte, e esta não lhe será tirada”. A melhor parte é estar aos pés de Jesus. A melhor escola é aprender aos pés do Salvador. A comunhão com Cristo é mais importante do que o trabalho para Cristo. Primeiro devemos nos deleitar nele e então servir a ele. O Senhor vem antes de sua obra. Vida com Jesus precede trabalho para Jesus.

Em segundo lugar, aos pés do Salvador para buscar consolo para as dores da nossa alma (Jo 11.32). A dor do luto havia chegada no amado lar de Betânia. Lázaro adoeceu e morreu. Jesus foi avisado, mas só chegou quatro dias depois do sepultamento do amigo. As lágrimas eram copiosas. A dor era imensa. O choro era incontido. Jesus chega em Betânia e manda chamar Maria. Ela vai ao seu encontro e se prostra aos seus pés, agora para chorar. Jesus se comoveu e também chorou. Ordenou que a pedra do túmulo de Lázaro fosse tirada e embocou sua voz para dentro deste e ordenou-lhe: “Lázaro, vem para fora”. O morto ouviu sua voz. Lázaro ressuscitou. A vida triunfou sobre a morte. A alegria varreu do rosto de Maria as lágrimas. A dor foi espanada de seu coração. Jesus enxugou suas lágrimas e trouxe o milagre da vida para dentro de sua casa. É aos pés do Salvador que nossas dores são tratadas. É aos pés do Salvador que jorra uma fonte inexaurível de vida e paz.

Em terceiro lugar, aos pés do Salvador para honrá-lo por seus gloriosos feitos (Jo 12.3). Maria mais uma vez está aos pés do Salvador. Agora, trazendo um vaso de alabastro com meio litro de preciosíssimo perfume de nardo puro, avaliado em mais de trezentos denários. Ela derrama todo esse raro e caro perfume sobre a cabeça de Jesus e depois enxuga seus pés com seus cabelos. Ela quer expressar a ele sua gratidão. Ela fez o melhor para o Mestre. Deu a ele sacrificialmente aquele perfume que estava sendo preparado para suas núpcias. Mesmo sendo incompreendida, até mesmo pelos discípulos de Jesus, chamando de desperdício a prodigalidade de seu amor, Maria não recuou em seu preito de gratidão, porque tinha como único vetor de ação, o propósito de agradar somente ao seu Senhor. Maria, fez a coisa certa, à pessoa certa, no tempo certo, apesar das críticas. O que ela fez, no recôndito de uma humilde casa, na pequena cidade de Betânia, tem sido proclamado dos eirados da história e sido trombeteado nos ouvidos do mundo. Ela colocou aos pés de Jesus tudo o que possuía, o melhor que possuía e, isso de forma generosa e sacrificial. Aos pés do Salvador é o melhor lugar do mundo para nos prostrarmos e adorarmos. Aos pés do Salvador é o melhor lugar do mundo para expressarmos nossa sincera gratidão por suas intervenções graciosas em nossa vida e em nossa família. Aos pés do Salvador é o melhor lugar do mundo para oferecermos a ele o fruto da nossa gratidão e da nossa consagração, para que essas ações reverberem para dentro da história e impactem as futuras gerações .

Rev. Hernandes Dias Lopes