Madri, capital da Espanha (Foto de Yuni Martin no Unsplash)
Madri, capital da Espanha (Foto de Yuni Martin no Unsplash)

O coronavírus continua atingindo a população mundial. Esta semana, as mortes por coronavírus ultrapassaram um milhão em todo o mundo, e os números continuam crescendo em muitos países.

A Espanha é o país europeu que mais sofre com a segunda onda da pandemia. É por isso que o governo espanhol anunciou novas restrições , que se aplicarão a qualquer município com mais de 500 casos por 100.000 habitantes nos últimos 14 dias.

No momento, isso afeta apenas Madrid e nove municípios próximos , que apresentam “uma média de 892 casos por 100.000 nos 14 dias avaliados, mais de três vezes a incidência nacional […] 33% do total de casos notificados em toda a Espanha naquele período”, alertou o ministro da Saúde, Salvador Illa.

“É urgente implementar as medidas necessárias para controlar a transmissão e proteger ao máximo as populações afetadas, para preservar a capacidade de saúde e minimizar o risco de contágio , tentando reduzir as taxas de transmissão abaixo dos níveis de risco estabelecidos pelos organismos internacionais”, declara o Diário Oficial do Estado.

Os encontros serão limitados a seis pessoas e as lojas, bares e restaurantes terão que reduzir a capacidade em 50% e fechar até as 22h. Além disso, as pessoas que moram nessas áreas não poderão sair ou entrar em sua área, exceto para trabalho, educação ou por razões de saúde.

O comparecimento aos serviços religiosos não está incluído entre as exceções permitidas, o que seria, portanto, proibido.

A lotação dos locais de culto é reduzida a “ um máximo de um terço , garantindo em qualquer caso a distância interpessoal mínima de 1,5 metros”.

Esta restrição é maior do que a de estabelecimentos comerciais, hotéis, restaurantes, locais de jogos , centros de educação não regulamentados ou instalações esportivas. Todos eles têm redução de capacidade de 50%.

Além disso, “a procissão para o sepultamento ou cremação do falecido será restrita a um máximo de quinze pessoas”.

Numa nota publicada no seu site, o Conselho Evangélico de Madrid responde a algumas das dúvidas dos cidadãos sobre estas novas medidas.

Explica que “as pessoas podem frequentar os serviços religiosos mantendo as medidas de capacidade e segurança, mas quem vive em municípios não afetados pelas medidas de restrição não pode frequentar as igrejas nas áreas que têm tais medidas”, e vice-versa.

Os voluntários que vão a igrejas para trabalhar com pessoas necessitadas, assim como pastores, poderão ir para áreas restritas , desde que apresentem autorização de entrada / saída para fins de trabalho.

Folha Gospel com informações de Evangelical Focus