Mulheres cristãs coptas assistem a um culto em uma igreja no Egito
Mulheres cristãs coptas assistem a um culto em uma igreja no Egito

Um extremista islâmico cortou o pescoço de uma mulher cristã na rua em plena luz do dia em Gizé, um subúrbio do Cairo, no Egito.

Imagens da rede de televisão chinesa CCTV (Televisão Central da China) mostram o momento em que o homem chega por trás da mulher e corta o pescoço dela.

Ele gritou “Allah akbar” (Deus é grande, em árabe) e disse: “Eu estou lhe matando porque você está sem véu na cabeça”. A vítima foi hospitalizada em estado grave e levou 68 pontos no pescoço.

O agressor foi detido e ficou preso. Ele já havia tentado matar uma mulher cristã em 2017, mas não foi detido.

Entre os países do Oriente Médio, o Egito é o que tem os mais altos índices de assédio e violência sexual contra mulheres.

De acordo com uma pesquisa de 2013 da ONU (Organização das Nações Unidas) sobre mulheres, mais de 99% das mulheres no Egito já passaram por assédio sexual, independentemente da religião ou do que vestiam. Nesse ambiente e sem proteção social, as mulheres cristãs são ainda mais vulneráveis.

Embora assédio, casamento forçado e outras formas de violência sejam práticas comuns que atingem todas as mulheres do Egito em diferentes graus, há relatos de que as mulheres cristãs são um alvo particular de sequestros para casamento, sobretudo nas áreas rurais, pequenos vilarejos e cidades do sul.

O impacto psicológico que o medo de sequestros causa é alto nas famílias cristãs do Egito. Mulheres e meninas da zona rural sentem que não podem sair de casa sozinhas, precisando da constante companhia de parentes do sexo masculino para protegê-las.

Fonte: Portas Abertas