Sawan Masih (à esquerda) foi absolvido pelo Tribunal Superior de Lahore. (Foto: Reprodução / Barnabas Fund)
Sawan Masih (à esquerda) foi absolvido pelo Tribunal Superior de Lahore. (Foto: Reprodução / Barnabas Fund)

Um cristão que foi condenado à morte sob a acusação de blasfêmia foi absolvido por um tribunal no Paquistão. O Tribunal Superior de Lahore anulou a condenação de Sawan Masih na terça-feira (06) e ordenou sua libertação imediata, citando a falta de evidências.

Em março de 2014, Masih foi condenado pelas draconianas leis de blasfêmia do Paquistão e condenado à morte após ser acusado por seu amigo muçulmano, Muhammad Shahid, de insultar o Profeta Muhammad durante uma conversa.

De acordo com Shahid, Masih disse a seu amigo: “Meu Jesus é genuíno. Ele é o Filho de Allah. Ele vai voltar enquanto o seu Profeta for falso. Meu Jesus é verdadeiro e dará a salvação”.

No dia seguinte ao suposto incidente, uma multidão de cerca de 3.000 muçulmanos atacou o bairro cristão de Joseph Colony, saqueando e incendiando cerca de 180 casas cristãs, 75 lojas e pelo menos duas igrejas. Masih foi levado sob custódia da polícia e posteriormente acusado de acordo com a Seção 295-C do Código Penal do Paquistão.

Mais tarde, ele foi condenado à morte pelo juiz Chaudhry Ghulam Murtaza, com o julgamento sendo realizado na Cadeia do Campo de Lahore devido a questões de segurança.

Os advogados de Masih alegaram uma série de imprecisões no caso, incluindo contradições gritantes dentro do relatório policial, chamado de ‘Relatório de Primeira Informação (FIR)’ e inconsistências no depoimento do reclamante.

Como resultado, o Tribunal Superior de Lahore decidiu que a acusação não conseguiu estabelecer que Masih cometeu blasfêmia e o absolveu de todas as acusações.

Respondendo à decisão, o Gerente Regional da International Christian Concern para o Sul da Ásia, William Stark, disse: “Nós aqui da International Christian Concern estamos felizes em ver Sawan Masih finalmente absolvido e libertado após seis longos anos de prisão. É raro ver um caso de blasfêmia de alto perfil contra um cristão resolvido com justiça no Tribunal Superior do Paquistão. No entanto, continuamos profundamente preocupados com a segurança de Sawan e sua família. Extremistas no Paquistão são conhecidos por alvejar indivíduos acusados ​​de crimes religiosos, como blasfêmia, mesmo que tenham sido absolvidos.

“O abuso das leis de blasfêmia do Paquistão deve ser reprimido e falsas alegações devem ser erradicadas e punidas. Muitas vezes, essas leis têm sido uma ferramenta nas mãos de extremistas que buscam incitar a violência de motivação religiosa contra as comunidades minoritárias. Sem uma reforma real, as minorias religiosas, incluindo cristãos, enfrentarão mais acusações de blasfêmia falsa e a violência extrema que muitas vezes acompanha essas acusações.”

Fonte: Guia-me com informações de Premier