Local de adoração com Buda gigante. Outras imagens de Buda, igualmente gigante, são espalhadas pelas cidades do Butão Crédito: Portas Abertas
Local de adoração com Buda gigante. Outras imagens de Buda, igualmente gigante, são espalhadas pelas cidades do Butão Crédito: Portas Abertas

Segundo dados da Pew Research Center, cerca de 448 milhões de pessoas no mundo são adeptas ao budismo e 9 em cada 10 seguidores vivem na Ásia, em países como Butão, Vietnã, Sri Lanka, Mianmar e Laos.

Viver nessa região tem sido cada vez mais difícil para um discípulo de cristo, que é vítima da intolerância religiosa e violência por parte da família, sociedade e Estado.

Todos esses países fazem parte da Lista Mundial da Perseguição 2019 e nos últimos cinco anos todos estiveram em posições de perseguição severa e alta.

Nos Sul e Sudeste Asiático, essa religião toma conta de todas as esferas da sociedade e, embora conhecida pela busca da paz interior, a cada ano cresce o radicalismo nos países de maioria budista.

Por não seguirem os seus ensinamentos, os cristãos são considerados uma ameaça e fonte de má sorte. Além disso a conversão de um budista ao cristianismo envergonha e desonra a tradição familiar.

Igreja Perseguida no Butão

No país que ocupa a 33ª posição na Lista Mundial da Perseguição 2019, o budismo é parte do tecido social e nenhuma congregação cristã nunca teve permissão de ser construída.

Todas as comunidades cristãs permanecem secretas. Especialmente em áreas rurais, os monges budistas se opõem à presença de cristãos. Em algumas áreas do Butão, a fusão de crenças tribais com o budismo tem causado perseguição, sobretudo nas regiões central e leste do país.

O nacionalismo religioso se caracteriza como o principal tipo de perseguição no Butão, sendo que a própria Constituição afirma que é responsabilidade de todas as instituições e personalidades religiosas promover a herança espiritual do país, ou seja, o budismo.

Além disso, os convertidos ao cristianismo que se recusam a participar dos rituais e tradições da crença tradicional animista chamada Bön serão pressionados e enfrentarão oposição e exclusão por parte da tribo.

Permanecendo na fé

Exemplos disso são cristãos atendidos pela Portas Abertas e que encontram esperança para viver e seguir a Jesus.

“Eu vivo em ua área remota no Leste do Butão. Tenho descoberto que Cristo me conduz à perseguição por meio de meus vizinhos budistas. Com frequência, ou importunado e pressionado a renunciar a nova fé em Cristo. Certa vez, fui forçado a deixar minha casa, rastejar debaixo de uma vaca e beber sua urina”, compartilhou Tom*, um cristão ex-budista.

Apesar de todas as dificuldades, mais pessoas têm vindo à fé. Jigme* contou como seu pai, um antigo membro do exército, ameaçava a mãe: “Eu lembro vividamente de como meu pai costumava bater em minha mãe com o cinto do exército, o que a deixava sangrando. Sua carne ficava exposta devido às intensas agressões do meu pai, apenas por que ela frequentava a igreja. Ela teve que fugir de casa para viver com uma família cristã, por conta da falta de piedade do meu pai em suas agressões. Ele é o perseguidor mais violento que já vi em minha vida.”

Há mais de 30 anos, a Portas Abertas atua entre os budistas e tem alcançado essas pessoas, fortalecendo-as e ajudando a permanecerem firmes em sua fé.

Para saber mais sobre o Butão e como se envolver com os cristãos perseguidos pelo budismo, acesse: https://www.portasabertas.org.br/categoria/lista-mundial/butao.

Fonte: Portas Abertas