O livro
O livro "Elefantes não são pássaros" com a autora Ashley St Clair.

A nova editora conservadora nos Estados Unidos, Brave Books, publicou seu primeiro livro infantil “Os elefantes não são pássaros” para enfrentar a ideologia de gênero. O fundador da editora disse que a crescente ideologia progressista dos livros infantis precisa de rivais.

O livro conta a história de um elefante chamado Kevin que gosta de cantar e que é convencido por um abutre – chamado Cultura – que ele gorjeia tão bem que deve ser mesmo um pássaro.

O livro é uma repreensão absoluta à aceitação da transexualidade e ao número crescente de jovens que se identificam como trans, diz a autora Ashley St Claire.

Em 2021, Trent Talbot fundou a editora Brave Books, com o objetivo de oferecer uma alternativa à doutrinação que existe nas escolas.

“Oferecemos aos pais uma alternativa conservadora ao atual ativismo cultural que nossos filhos aprendem nas escolas, no entretenimento que assistem e nos livros que leem”, disse ele.

Segundo o empresário, que teve um filho a pouco tempo, atualmente existe uma guerra e “para onde se olha há propaganda”. Por exemplo, o último best-seller do New York Times “Antiracist Baby”.

Por isso, aliada à escritora Ashley St. Clair, a editora publicou seu livro “Os elefantes não são pássaros”. O material está à venda pela Amazon.

Outros livros que serão publicados pela editora são “A Ilha do Sorvete Gratuito”, de Jack Posobiec, que abordará o socialismo e “Fama, culpa e a balsa da vergonha”, do congressista Dan Crenshaw, sobre a cultura do cancelamento.

Folha Gospel com informações de Protestante Digital