Fachada de templo da Assembleia de Deus em Pernambuco
Fachada de templo da Assembleia de Deus em Pernambuco

Jamildo Melo
NE10

A Igreja Assembleia de Deus em Pernambuco (IEADPE) deixou o pleito de 2020 muito enfraquecida no estado, de acordo com o blog de Jamildo Melo.

Todos os candidatos da denominação evangélica do pastor Ailton José Alves sofreram nas urnas. Institucionalmente a igreja já vinha sofrendo desgastes.

O Ministério Público de Pernambuco chegou a receber denúncias de que o pastor presidente Ailton José Alves participava de um suposto esquema das rachadinhas, suspeitas de acontecerem nos gabinetes de Adauto Santos e Aimée Carvalho.

Após a denúncia, pastores que auxiliavam na IEADPE tanto no interior do estado quanto na região metropolitana deixaram a denominação e abriram as suas próprias igrejas, arrebanhando milhares de fiéis.

Na internet, as lideranças da IEADPE também vinham sofrendo ataques de membros insatisfeitos com a gestão do pastor, que teve até vídeo de um depoimento vazado.

Os membros da IEADPE deixaram o barco da denominação para embarcar na onda dos candidatos bolsonaristas.

Em Recife, o pastor Júnior Tércio (PSC), da Assembleia de Deus Novas de Paz, concorrente direta do ministério de Ailton Alves, foi o terceiro mais bem votado no pleito.

O nome de batismo do pastor Júnior de Tércio é José Ivanildo de Moura Júnior. Ele casou com Clarissa, filha do pastor Francisco Tércio, tenente-coronel aposentado da PMPE e fundador da Assembleia De Deus Novas de Paz, uma dissidência do ministério do pastor Ailton.

A vereadora do Recife irmã Aimée Carvalho (PSB), que tentava ser eleita para o terceiro mandato, perdeu as eleições com 3.763 votos. No pleito de 2016, Aimée foi a segunda vereadora mais votada da cidade com 14.338 votos.

A igreja também perdeu sua representante em Jaboatão dos Guararapes. A irmã Babate (PL), irmã da esposa do presidente da IEADPE, Judite Alves, perdeu as eleições com 1.770 votos. Em 2016 ela foi eleita com 3.656 votos.

Derrota também em Olinda. Por lá, o vereador Algério (PATRI) teve 1.698 votos. No pleito anterior ele foi eleito com 4.419, o terceiro mais votado do município.

Os membros da igreja liderada por Ailton José Alves também perderam em Caruaru e em Petrolina.

Na primeira, Andrey Gouveia (PSDB), presbítero da denominação, perdeu com 1.747 votos. Em 2016 ele foi eleito com 2.615 votos.

Já em Petrolina, o evangélico Sidney Paixão (PATRI) perdeu as eleições com 1.176 votos. Paixão é assessor parlamentar do deputado federal Pastor Eurico (PATRI), também membro da IEADPE, mas cada vez mais distante da denominação.

O desgaste dos membros da igreja liderada por Ailton Alves teria começado em 2018. Nas eleições de 2014, o presbítero Adauto Santos (PSB) foi o segundo deputado estadual mais votado de Pernambuco, com mais de 158 mil votos.

Após o resultado, o presbítero cresceu dentro da denominação e recebeu de Ailton José Alves o título de evangelista. Em 2018, Adauto teve pouco mais de 60 mil votos.

O mesmo desgaste sofreu o pastor Eurico, que teve 233 mil votos em 2014, o segundo deputado federal mais votado em Pernambuco, e, em 2018, somou pouco mais de 125 mil votos.

Com a liderança da denominação rachada, há quem questiona se os deputados irão concorrer mais uma vez à reeleição.

Fonte: Blog do Jamildo Melo – NE 10