Pastor Wang Yi
Pastor Wang Yi

O Departamento de Estado dos EUA emitiu uma declaração criticando a condenação e sentença do pastor Wang Yi, que foi julgado em segredo na China em 26 de dezembro e condenado a nove anos de prisão depois de “incitar a subversão de poder estatal ”e as chamadas“ atividades comerciais ilegais ”.

“Estamos alarmados pelo fato de o pastor Wang Yi, líder da Igreja do Convênio da Chuva Precoce em Chengdu, ter sido julgado em segredo e condenado a nove anos de prisão por sua defesa pacífica pela liberdade religiosa. Pedimos sua libertação imediata e incondicional ”, escreveu.

“O pastor Wang Yi foi originalmente preso com dezenas de outros congregantes em 9 de dezembro de 2018, durante uma repressão maciça na maior igreja não registrada de Chengdu. Ele foi considerado culpado durante um julgamento a portas fechadas, em 26 de dezembro, por acusações falsas de “incitar a subversão do poder do Estado” e “atividades comerciais ilegais”, sem a presença de advogado de defesa”, continua a declaração.

“Este é mais um exemplo da intensificação da repressão por parte de Pequim de cristãos chineses e membros de outros grupos religiosos. Continuamos pedindo a Pequim que cumpra seus compromissos internacionais e promessas feitas em sua própria constituição de promover a liberdade religiosa para todos os indivíduos, incluindo membros de minorias étnicas e religiosas e aqueles que cultuam fora das instituições oficiais sancionadas pelo Estado”, finaliza.

O pastor Yi foi preso em dezembro de 2018 e sua igreja foi fechada porque era “não autorizada”, ou seja, não registrada no governo chinês. Aproximadamente 150 membros também foram detidos.

O Partido Comunista da China exige que os protestantes adorem apenas em igrejas reconhecidas e regulamentadas pelo Movimento Patriótico dos Três Autos sancionado oficialmente.

A sentença de Wang foi amplamente condenada por defensores dos direitos humanos. Patrick Poon, pesquisador chinês da Anistia Internacional, disse que o veredicto “zomba das supostas liberdades religiosas da China”.

“Wang Yi estava apenas praticando sua religião e defendendo pacificamente os direitos humanos na China”, escreveu ele. “Essa sentença de nove anos é terrível e injusta. Wang Yi é um prisioneiro de consciência e deve ser libertado imediata e incondicionalmente.

Bob Fu, presidente da organização cristã sem fins lucrativos China Aid, disse ao South China Morning Post, que a sentença de Wang foi uma das mais pesadas recebidas pelos líderes de igrejas domésticas nos últimos anos.

“Acho que o regime realmente tem medo do impacto nacional e internacional de Wang, especialmente a crescente influência do movimento evangélico reformado que ele liderava em todo o país”, disse Fu.

Em sua carta, Wang enfatizou que aqueles que o perseguem “um dia serão presos por anjos”.

“Aqueles que me interrogam serão finalmente interrogados e julgados por Cristo”, escreveu ele. “Quando penso nisso, o Senhor me enche de uma compaixão e pesar naturais por aqueles que estão tentando me aprisionar ativamente. Ore para que o Senhor me use, que me conceda paciência e sabedoria, para que eu leve o Evangelho a eles. ”

A China está classificada como a 27ª pior nação do mundo quando se trata de perseguição cristã, segundo a Lista Mundial da Perseguição, da organização Portas Abertas. A Portas Abertas expressou preocupação de que os assuntos religiosos na China agora “estejam com o Partido Comunista”.

Folha Gospel com informações de The Christian Post e Christian News