Bandeira da Turquia
Bandeira da Turquia

Um evangelista coreano foi assassinado no sudeste da Turquia, provocando temores de perseguição entre a comunidade cristã, informou a International Christian Concern em um comunicado.

Jinwook Kim, 41 anos, foi esfaqueado três vezes na rua na cidade turca de Diyarbakir em 19 de novembro. Ele morreu no hospital em virtude dos ferimentos.

Kim, que residia na Turquia há cinco anos, morava em Diyarbakir, tendo se mudado para lá no início deste ano com sua família para pastorear uma pequena comunidade cristã. Ele era casado e tinha um filho, e outro nasceria em poucos dias.

As autoridades turcas prenderam um jovem de 16 anos suspeito do assassinato, que supostamente foi motivado por roubo. No entanto, a população cristã local está convencida de que Kim foi atingido devido à sua fé e está chamando sua morte de martírio.

Um evangelista turco disse que recebeu ameaças no dia seguinte ao assassinato. “Não foi apenas um assalto; eles vieram para matá-lo”, disse. “Sempre recebemos ameaças. Eles sabem que estou tentando espalhar o Evangelho, para que também possam me atingir. Isso pode ser um sinal.”

Kim é o primeiro cristão a ser morto na Turquia desde os assassinatos de 2007 na Editora Zirve, apelidados de “massacres missionários” pela imprensa local, na qual três funcionários da editora bíblica foram torturados e mortos.

No entanto, os cristãos no país dizem que a animosidade em relação à comunidade cristã aumentou nos últimos três anos, com o assédio e as ameaças aumentando.

“Este é o primeiro martírio desde Malatya. O governo turco iniciou uma deportação maciça de líderes protestantes que serviram na Turquia por muitos anos”, disse um líder da igreja, acrescentando: “Mas a deportação não é suficiente para evangelistas. Esse tipo de ataque os assustaria. Eu acho que este é o último nível de um plano, sendo como a China.”

Claire Evans, gerente regional da International Christian Concern do Oriente Médio, disse: “A tristeza na comunidade cristã da Turquia é sentida fortemente, junto com grande choque e medo. Apenas neste ano, vimos um aumento significativo de incidentes comprovando como o ambiente se tornou mais hostil ao cristianismo “.

Ela instou as autoridades turcas a “estabelecer exemplos públicos de tolerância religiosa e a investigar esse incidente com honestidade e devido processo legal”.

Em outubro, apareceram anúncios nas estações de ônibus da cidade de Konya, citando uma passagem do Alcorão que pedia aos habitantes locais que não aceitassem “judeus e cristãos como aliados”. Politicamente, a cidade é dominada pelo Partido da Justiça e Desenvolvimento [AKP], que está sob a liderança do atual presidente turco, Recep Erdogan.

O anúncio levou o comentarista do Oriente Médio Daniel Pipes a twittar que a Turquia está se tornando outro estado islâmico, no molde do Irã, e se pergunta “quando o mundo vai despertar para o perigo?”

Fonte: Guia-me com informações de Jerusalém Post