Cristãos orando na Índia
Cristãos orando na Índia

Quando um hindu no norte da Índia se livrou dos ídolos em sua casa depois de várias visitas a uma igreja, nacionalistas hindus encontraram a oportunidade perfeita para tornar a vida de um pastor e sua família em um pesadelo, disseram fontes.

Desde que os nacionalistas hindus acusaram o pastor Avianshu Kalra de profanar ídolos hindus e de conversão forçad,a em Ambala, estado de Haryana, ele e sua família tiveram que deixar sua casa, sua esposa sofreu complicações na gravidez e seu pai foi suspenso de seu trabalho depois de sofrer um processo por difamação.

O pastor da Casa de Oração de Karuna, de 32 anos, teve que manter seu filho de 4 anos fora da pré-escola por uma semana depois que uma multidão de 200 pessoas liderada pelos extremistas hindu,s em  11 de julho, bloqueou a entrada e a saída da sua casa e da igreja.

“Minha mãe estava sozinha e estava apavorada”, disse o pastor Kalra, observando que ele e sua esposa tinham ido buscar o filho na escola e que seu pai estava ausente no trabalho. “A multidão gritava: ‘Saia, não te pouparemos, queimaremos você’”.

A multidão acusou-o de forçar a conversão de uma família hindu e destruir suas divindades hindus e imagens de gurus sikhs. O pastor Kalra disse que estava grato a Deus por não ter voltado para casa enquanto a multidão ainda estava lá ou teriam atacado ele, sua esposa grávida de 4 meses e filho.

Oficiais chegaram e levaram a multidão para a delegacia, mas nenhuma ação foi tomada contra eles, disse.

“Eles foram autorizados a deixar a delegacia de polícia, em seguida eles bloquearam a rodovia nacional por cerca de 11 minutos”, disse o pastor Kalra, observando que é uma ofensa imprescindível bloquear uma rodovia nacional.

Negando as acusações, o pastor Kalra, em  12 de julho, apresentou uma queixa por escrito solicitando intervenção contra ameaças extremistas à vida e à propriedade na delegacia de Baldev Nagar.

Naquela noite, extremistas hindus apresentaram queixa, e a polícia registrou um Relatório de Primeira Informação (FIR) contra o pastor, sua esposa Ritu Kalra, seu pai Pardeep Gulati e a mãe Kalpana por, supostamente, ferir sentimentos religiosos e insultar a religião de alguém. A queixa foi apresentada sob a orientação do líder do grupo extremista, um membro do Shiv Sena (Exército de Shivaji), um partido político nacionalista hindu, disse o pastor.

O pai do pastor Kalra recorreu a um influente ministro do governo do estado que instruiu o superintendente da polícia a realizar uma investigação justa, mas a família saiu de casa em 13 de julho para evitar a prisão, ele disse.

“Indo de porta em porta, coletamos todas as informações [de defesa] e pedimos a altos funcionários, solicitando que fizessem uma investigação inicial antes de nos prender”, disse o pastor Kalra, visivelmente preocupado com sua esposa grávida e seu filho pequeno.

Gulati, o pai do pastor, havia sido um líder nacionalista hindu do Shiv Sena antes de converter em 1996. Em  14 de julho,  ele escreveu um apelo ao diretor-geral da polícia e inspetor geral da polícia pedindo “inquérito apropriado e expressando ameaças recebidas do Shiv Sena. O diretor geral da polícia ordenou o inquérito.

Desde que a família começou a igreja em 2014, os membros do Shiv Sena têm monitorado os movimentos de Gulati e estão buscando pretextos para acusar os membros da família, disse o pastor Kalra.

“Eles estão atacando a nossa igreja porque meu pai foi um deles por muitos anos”, disse o pastor Kalra. “Ele saiu do caminho ajudando os cristãos a obter justiça e viajando para várias cidades, ajudando todos aqueles que estão sendo perturbados por sua fé em Jesus.”

A congregação cresceu para 100 pessoas em quatro anos .

Gulati continua influente e trabalha para ajudar os cristãos perseguidos. Depois que seu jornal e outros revelaram o assédio que os extremistas hindus infligiram à sua família, os hindus de linha dura entraram com um processo alegando difamação, disse o pastor Kalra.

“Uma cópia do Relatório de Primeira Informação foi enviada para a agência Punjab Kesari, uma cópia para o presidente do Ambala Press Club e outra para o presidente do Haryana Press Club para difamar a posição de meu pai”, disse ele. “Meu pai foi suspenso até que as investigações terminem.”

As acusações de conversão forçada são invocadas todos os meses na Índia com a clara intenção de intimidar os cristãos ao silêncio, de acordo com a Alliance Defending Freedom (ADF), que promove advocacia legal pela liberdade religiosa.

“Em muitos lugares, a intimidação está funcionando”, observa a ADF em sua campanha para celebrar o 70º aniversário da Declaração Universal dos Direitos Humanos da ONU.

“É uma triste ironia que toda essa perseguição esteja acontecendo em um país com uma rica tradição e estrutura legal que apóia a liberdade de consciência e o direito de praticar, professar e promover a religião de sua escolha. A constituição indiana garante claramente a liberdade religiosa, assim como vários convênios internacionais dos quais a Índia é um destacado signatário”.

O artigo 18 da declaração da ONU afirma que os crentes têm a liberdade de praticar sua fé “através do ensino, da prática, do culto e dos ritos”, observa a campanha para obter assinaturas de apoio à Declaração de Genebra sobre Direitos Humanos em www.ImHumanRight.org .

A Índia ocupa a 11ª posição na Lista Mundia de Perseguição da Missão Portas Abertas.

Fonte: Christian Headlines