A deputada federal Flordelis dos Santos revelou, em depoimento, que Daniel dos Santos Souza, a quem ela sempre disse ser seu filho biológico com o pastor Anderson do Carmo, assassinado em 2019, é na verdade adotado.

O depoimento ocorreu no dia 21 de maio e, segundo a polícia, a parlamentar só confessou após ser confrontada com as informações levantadas nas investigações e depoimentos de testemunhas.

O assassinato do marido da deputada acabou trazendo à tona dúvidas se ambos realmente eram pais de Daniel. Ao menos seis pessoas relataram à polícia que o rapaz foi, na realidade, adotado, ainda que os trâmites formais do processo não tenham sido seguidos.

A primeira a fazer tal relato foi a mãe do pastor, Maria Edna do Carmo, que morreu no início de abril deste ano, ao ser ouvida na Delegacia de Homicídios (DH) de Niterói, São Gonçalo, Itaboraí e Maricá na primeira fase das investigações do assassinato.

Em seu último depoimento à polícia, Daniel afirmou que após o assassinato de Anderson, dois de seus irmãos lhe relataram que já sabiam da verdade sobre sua história, mas eram proibidos por Flordelis de falar sobre o assunto. Daniel foi ouvido na Delegacia de Homicídios (DH) no dia 8 de novembro do ano passado. Ele contou aos investigadores que só soube que poderia não ser filho de Flordelis e Anderson após a morte do pastor, ao receber uma mensagem pelo Instagram de uma prima que dizia ser de sua verdadeira família biológica.

O rapaz contou que teve a confirmação da história por dois irmãos, filhos afetivos de Flordelis, que lhe relataram que foram proibidos pela pastora de falar do assunto, porque poderia “dar merda”.

Flordelis só confessou à polícia que Daniel não era filho biológico dela e do pastor após a DH reunir diversas provas e relatos de testemunhas sobre o caso. A pastora admitiu não ser mãe do rapaz em depoimento no dia 21 de maio.

Mãe biológica

Uma mulher localizada pela Delegacia de Homicídios, que investiga a morte de Anderson do Carmo, afirma ser a verdadeira mãe de Daniel. Janaína Manoel do Nascimento Barbosa contou que entregou o filho ainda recém-nascido para Flordelis cuidar porque sua família não havia aceitado a gravidez. Ainda segundo ela, Flordelis teria dito que ela não precisava se preocupar pois sempre seria a mãe verdadeira do menino.

Janaína declarou também que tentou manter contato com o menino indo na casa de Flordelis, mas que nunca conseguiu cuidar do menino e nem mesmo dar uma mamadeira porque ela não deixava. Ela diz ainda que perdeu contato com a criança após Flordelis dizer que teria que se mudar porque o dono da casa se afeiçoou a Daniel e queria adotá-lo.

– Flordelis explicou que esse tal Pedro era muito poderoso, e que se ele quisesse, poderia tirar as crianças dela. Por isso, Flordelis estaria ajeitando tudo para mudar de endereço, e não queria que ninguém soubesse – diz um trecho do depoimento de Janaína.

Os prontuários médicos obtidos pela DH comprovam que Janaína deu à luz Daniel no mesmo dia em que consta na certidão do rapaz. O parto aconteceu na maternidade Santa Helena, em Duque de Caxias.

Já na certidão de nascimento, está registrado que Daniel nasceu na favela do Jacarezinho, na primeira casa em que Flordelis e Anderson moraram juntos. A certidão diz ainda que os pais eram o casal de pastores.

A versão de que Daniel não é filho biológico do casal foi confirmada por uma ex-empregada doméstica de Flordelis e pelas duas testemunhas que aparecem na certidão de nascimento de Daniel.

Exame de DNA

Daniel também relatou à polícia que, por diversas vezes, Flordelis perguntou se alguém havia entrado em contato com ele dizendo que ela e Anderson não eram seus verdadeiros pais. A deputada pedia para ele não acreditar na história e que se fosse preciso ela até faria exame de DNA para comprovar.

Fonte: Extra e Pleno News